domingo, 18 de maio de 2014

DESTRUA UMA IGREJA EM 4 PASSOS - Tim Charles


Pouco tempo atrás, soube de um prédio de uma igreja em nossa vizinhança que estava à venda. Por anos a Grace Fellowship Church esteve procurando um prédio para ser nosso, então pensamos em dar uma olhada. Aquela havia sido uma congregação próspera. Cristãos fiéis contribuíram sacrificialmente para construir aquele prédio. Eles o consagraram ao Senhor e adoraram ali por muitos anos. Ainda assim, agora aquela construção estava abandonada, decadente e à venda.

O que aconteceu? Como aquela igreja passou de próspera para enferma? Como passou de saudável para doente até a morte? Acho que sei como. Creio que Paulo nos conta em sua segunda carta à Timóteo, a carta que ele escreveu apenas dias ou semanas antes de sua morte. Nela, no capítulo 4, ele olha para o futuro, vê uma igreja sendo destruída e nos avisa como aquilo aconteceu. É tão direto quanto 4 simples passos.

Antes de partirmos para os quatro passos, precisamos nos atentar para um detalhe crítico: essa igreja destrói a si mesma. A igreja não é fechada por causa da perseguição do governo; não é afligida pela pressão cultural e não sucumbe aos ataques de outra religião. Essa igreja é erodida por dentro, do meio da congregação. Essa igreja é destruída por pessoas que dizem agir no nome de Jesus.

Aqui estão os quatro passos simples que levam à auto-destruição de uma igreja.

Passo 1: Rejeite a verdade

Paulo avisa Timóteo que eles “se recusarão a dar ouvidos à verdade”. O primeiro passo para se destruir uma igreja é distanciar-se do que é verdade, perdendo o interesse na verdade como Deus a revela, cansando-se do que Deus diz que é verdadeiro e amável. O que uma vez foi amor pela verdade se torna agora um desagrado e desgosto em relação à verdade; o que antes era ódio ao erro se torna agora um interesse e fascínio pelo erro. Corações começam a endurecer.

Passo 2: Rejeite quem fala a verdade

Ao se distanciarem da verdade, eles necessariamente tornam-se contra quem diz a verdade. Então, Paulo avisa Timóteo que esse dia chegaria: “não suportarão a sã doutrina”. Não é que as pessoas não saberão o que é verdade, mas que elas não vão mais suportar o que é verdadeiro. Porque elas passaram a odiar a verdade, elas agora odiarão aqueles que proclamam a verdade. Os mesmos mestres que uma vez os atraíram, agora os repelirão.

Passo 3: Abrace falsos mestres

A igreja rejeitou a verdade e aqueles que ensinam a verdade. E depois? É obvio e inevitável: eles abraçarão falsos mestres. “Cercar-se-ão de mestres segundo as suas próprias cobiças, como que sentindo coceira nos ouvidos”. Conforme essas pessoas vão sendo endurecidas pelo pecado, conforme elas crescem em sua rebelião, desejarão ser guiadas por pessoas que as dizem aquilo que elas querem ouvir. Paulo usa uma ótima imagem para descrever isso: ouvidos coçando. Esses ouvidos anseiam a novidade, algo que de alguma forma será aceito pela sociedade e palatável ao mundo sem Deus. Eles prontamente encontrarão esse tipo de mestre que justificará seu afastamento da verdade e que validará a sua rebelião.

Passo 4: Abrace a falsa doutrina

Uma vez que eles rejeitaram a verdade e quem diz a verdade e uma vez que encontraram mestres que agradam os seus ouvidos, eles “entregar-se-ão às fábulas”. Agora eles abraçarão o erro, a completa heresia. Serão tão endurecidos em seus pecados que acreditarão que o erro é bom e verdadeiro. Serão tão iludidos e rebeldes que celebrarão o que Deus odeia e o farão no nome de Deus. Eles vaguearão, como ovelhas tolas indo para longe do bom pastor. O caminho estreito da salvação não deixa espaço para se vaguear, mas o caminho largo da destruição tem todo o espaço que eles precisam para vaguearem para cá e para lá.

E eles morrerão. No fim, aqueles que clamaram agir no nome de Cristo serão expostos como contrários a Cristo. Aquela igreja, aquela congregação, morrerá.

O que aconteceu com aquela igreja que um dia adorou naquele prédio que visitamos e queríamos comprar? As pessoas desenvolveram coceiras nos ouvidos. Não mais apoiaram a sã doutrina e acumularam para si mesmos mestres que se encaixavam às suas próprias paixões. Se distanciaram da verdade e vaguearam em direção a mitos e fábulas.

A evidência desses mitos estava clara. O hinário deles tinha músicas como “Mãe e Deus”, que diz “Mãe e Deus, à vocês cantamos: amplo é o seu ventre, quente é sua asa”. O website deles continha um vídeo de um pastor submetendo-se a um processo de mudança de gênero com o total suporte da igreja. A literatura deles explicitamente negava que Cristo é o único caminho para Deus dizendo que “Deus atua em nosso mundo através de um Espírito misterioso que não reconhece distinções nas portas de entrada de capelas cristãs; budistas; hinduístas; ou templos Sikh; cabana aborígene, mesquita islâmica ou sinagoga judaica”.

Nós não ficamos com aquele prédio. A construção foi vendida e, se eu entendi corretamente, logo virá a baixo. No fim das contas, os líderes denominacionais responsáveis pela venda não queriam o evangelho naquele prédio, eles queriam retirar dinheiro daquele prédio. Eles precisavam do dinheiro para ajudar duas outras congregações suas que inevitavelmente também acabarão.

Dois mil anos atrás, Paulo escreveu para o jovem Timóteo e contou a ele exatamente como essa igreja e muitas outras parecidas com ela morreriam. Ele também deu a Timóteo um dever que evitaria sua própria igreja de experimentar uma destruição similar e de hesitar com ouvidos coçando. Mas deixarei isso para um outro dia.
***
Fonte: Challies.com 
Tradução: Kimberly Anastacio
Via: Reforma 21

sábado, 17 de maio de 2014

SAUDADE DE DEUS


Dedico este texto a uma mui amada filha de Deus, que no seu status escreveu:

"Não iriam entender que vez em quando a gente fica triste sem motivo, ou pior ainda, sem saber sequer se está mesmo triste" - Isabelly Sabrinny.

Minha irmã, essa suposta "tristeza" é aquilo que chamamos de SAUDADE. 

Não é a saudade de entes queridos, como a saudade de Jacó da casa de seu pai, depois de 20 anos de exílio (Gn 31.30). 

Não é a saudade dos esposos que estão momentaneamente separados (Ct 7.10).

Não é a saudade do pastor de suas ovelhas queridas, como a de Paulo e a de Epafrodito da igreja dos filipenses (Fp 1.8 e 2.26). 

Não é a saudade da pátria amada, como a saudade insuportável que os desterrados em Babilônia tinham de Israel (Jr 22.27), a ponto de dependurar suas harpas nos salgueiros que lá havia e negarem-se a entoar o canto do Senhor em terra estranha (Sl 137.1-6). 

Não é a saudade histórica, a saudade de um tempo que já se foi para sempre, a saudade de um passado mais alegre, mais feliz, mais tranqüilo.

Não é a saudade da situação anterior à perda de todos os bens de uma hora para outra, anterior à morte dos filhos, anterior à doença, anterior à desgraça, como aconteceu com Jó. Por mais dolorosa que seja a saudade descrita pelo homem da terra de Uz (Jó 29.1-25), na qual ele contrasta com sofrimento a situação presente com a situação passada, essa ainda não é a plenitude da saudade. 

Essa suposta "tristeza" é uma saudade mística, aquela saudade estranha, aquela saudade escondida, de Deus. É a saudade mais remota, mais generalizada, mais natural, mais constante, mais duradoura, mais bela e também mais incômoda. Essa saudade está apegada à alma de todos os seres humanos, em todos os lugares e em todos os tempos. Felizes são aqueles que não a negam nem a repelem. É ela que provoca aquela sede incontida de Deus: “Eu tenho sede de ti, o Deus vivo! Quando poderei ir adorar na tua presença?” (Sl 42.2 BLH). O homem é religioso só por causa da plenitude da saudade. Movimento algum, filosofia alguma, ideologia alguma, poder algum, nação alguma não têm destruído o sentimento religioso em tempo algum por causa dessa bendita saudade de Deus, arraigada no mais interior do ser humano, desde a sua criação à imagem e semelhança dele!

PORTANTO, QUANDO VOCÊ ESTIVER ASSIM, DIGA:
"ESTOU COM SAUDADE DE DEUS".

GENEROSIDADE


Generosidade se aprende, embora seja coisa do coração. 
No máximo, para alguns, existe a generosidade na dimensão da troca, do tipo "serei generoso com quem for comigo".

Generosidade é outra coisa.É mesmo coisa do coração. 
Generoso é quem olha para o outro. Não tem a ver com dinheiro.
Generoso é quem faz o rosto do olho brilhar no encontro.
Generoso é quem faz o outro achar que a vida vale a pena.
Generoso é quem usa o que tem (dinheiro, tempo, palavra, sorriso, abraço) para tornar a vida do outro mais bonita. E quando faz isto é o seu rosto que brilha, embora não o veja.

Um abraço não custa dinheiro, nem tempo.
Custa apenas se achar igual ao outro.
Um sorriso não custa tempo, nem dinheiro.
Custa apenas olhar para o outro com olhos de Deus.
Ouvir o outro custa um pouco de tempo, que não fará falta.
Ir a um hospital custa tempo, que será multiplicado como se fosse um milagre.
Receber uma pessoa em casa pode custar tempo e dinheiro, transformados em momentos inesquecíveis em torno da mesa.
Se estas coisas nos são difíceis, é porque não aprendemos a ser generosos.

MINHA TORRE


(Dedico este texto a Luciana Regis, Irilene Cardoso, Ismhyrna Alves e Janaina Leal)

O SONO CHEGOU (Graças a Deus! Sono, coisa rara para mim)
Mas, quero fazer você se sentir grato a Deus por tudo. Pense comigo...

"Torre forte é o nome do SENHOR; para ela correrá o justo e estará em alto retiro". Provérbios 18:10

Quando você estiver confuso acerca do futuro, vá para o Jeová-Raá, seu atencioso pastor.
Quando estiver ansioso quanto às provisões, fale com Jeová Jiré, o Senhor da providência.
Está sendo desafiado pelos poderosos? Peça ajuda a Jeová-Shalom, o Senhor é paz.
Seu corpo está enfermo? Suas emoções abaladas? Jeová-Rafá, o Senhor que cura, o contempla agora.
Você se sente como um soldado encurralado atrás das linhas inimigas? Refugie-se em Jeová-Nissi, o Senhor é a minha bandeira.

Meditar acerca dos nomes de Deus lembrará a você as características do Senhor. Pegue estes nomes e guarde-os em seu coração.

Deus é: o Senhor que guia, o Senhor que provê, a voz que na tormenta nos traz a paz, o médico que cura o doente, e a bandeira que guia o soldado.

Nos abençoe!
a) Siga-nos no blog - http://professorpadua.blogspot.com.br/
b) Curta a nossa página - https://www.facebook.com/pages/Professor-Pádua/163391750483474

UMA NOVA CHANCE


AO MEU QUERIDO IRMÃO QUE ME LIGOU HOJE A NOITE...
Achando que para si não há mais jeito.

"Porque sete vezes cairá o justo e se levantará" (Provérbios 24.16) 

Há uma história reveladora na Bíblia.
Você combina algo com uma pessoa. Ela promete e não cumpre.
Você combina de novo? Alguém combina algo com você. Você não cumpre. Você tentará outra vez?

Jonas, um profeta da Bíblia, recebeu uma tarefa. Era para ir para certo lugar. Pegou o transporto para o sentido oposto. No entanto, Deus não desistiu dele. Pela segunda vez, deu-lhe a mesma instrução. Deus sempre nos dá uma segunda oportunidade.

Como, na vida em geral raramente encontramos quem nos dê uma segunda chance, achamos que Deus age do mesmo modo conosco.
Ele é diferente.

Podemos fracassar, na tentativa de cumprir uma missão, no esforço de nos livrar de um vício, no desejo de vencer um medo, mas Deus sempre nos dá outra oportunidade. Ele nunca nos vê como fracassados. O nosso Deus é especialista em dar segunda chance às pessoas! Ele é especialista em trabalhar com pessoas imperfeitas.

“Pois tu, Senhor, és bom e compassivo; abundante em benignidade para com todos os que te invocam.” (Salmo 86.5)

Nos abençoe!
a) Siga-nos no blog - http://professorpadua.blogspot.com.br/
b) Curta a nossa página - https://www.facebook.com/pages/Professor-Pádua/163391750483474

O MELHOR...


Podemos imaginar que, por estar Deus conosco, devemos conquistar todas as nossas metas.

Em sua marcha para a terra prometida, o povo de Israel venceu muitos povos, mas não a todos. A um não venceu porque orgulhosamente o enfrentou, baseando-se alienas em sua própria força. A outros não venceu porque Deus determinou que nãos enfrentasse, mas pagasse para passar por duas terras.

Aos que venceu, o triunfo se deveu à atenção que deram à palavra de Deus. Venceram sobretudo porque Deus lutou ao seu lado, conforme a expressa e repetida promessa que lhes fez. Eles não conquistaram apenas cidades frágeis, mas também as que "tinham muralhas altas e fortes".

Precisamos, diante dos nossos alvos, perguntar quais são aprovados por Deus. No caso de um concurso, por exemplo, o bom salário e a segurança não são suficientes para os desejarmos. Precisamos orar em busca da bênção de Deus. Se Deus o aprova, devemos fazê-lo, quadras vezes necessário, até a aprovação. Precisamos, diante dos alvos, mirar não os mais fáceis, mas os melhores. Não podemos nos contentar com nada que não seja o melhor. (IBA)

Nos abençoe!
a) Siga-nos no blog - http://professorpadua.blogspot.com.br/
b) Curta a nossa página - https://www.facebook.com/pages/Professor-Pádua/163391750483474

DEPRESSÃO


“Ele mesmo, porém, se foi ao deserto, caminho de um dia, e veio, e se assentou debaixo de um zimbro; e pediu para si a morte e disse: Basta; toma agora, ó SENHOR, a minha alma, pois não sou melhor do que meus pais” - 1 Reis 19.4

A experiência da depressão é universal no espaço e no tempo. Ninguém está imune. Ela pode vir para quem tem e para quem não tem fé. A depressão é uma doença de verdade, e como tal deve ser entendida.

A depressão de Elias foi desencadeada pelo medo (1 Reis 19.3). A mesma situação poderia ter provocado alegria e confiança. Ele poderia ter pensado: "Ah os reis estão furiosos porque eu fiz a coisa certa. Deus continuará a me capacitar". Mas nele provocou frustração e medo.

É uma reação normal sentirmo-nos tristes após uma perda, com a morte de uma pessoa querida ou diante do rompimento de um relacionamento. Às vezes essa tristeza pode se transformar em depressão, mas isto só acontece nas pessoas que têm essa tendência. Em outras palavras, os acontecimentos estressam-nos mais ou menos em função como conduzimos as nossas vidas. Certas pessoas, por causa de suas características específicas (bioquímicas, genéticas, psicológicas), são mais vulneráveis que outras no desenvolvimento de um episódio depressivo diante de um fator estressante.

Em Elias, sua autoestima estava muito baixa. Eis como ele se autodefiniu: "Eu sou um fracasso, como foram os meus antepassados".

No primeiro estágio da sua depressão, Elias lutou por sua vida, buscando o refúgio no deserto, numa espécie de caminhada em direção ao nada. Depois, desistiu de viver e pediu a morte, sentando-se num lugar onde podia ser encontrado. No terceiro, ele se afundou numa caverna, na escuridão da falta de perspectiva. Mas ele, pela graça de Deus, não ficou na caverna.

Quem está hoje na caverna precisa saber que ali não o seu lugar.

ESPERANÇA


Viver a vida hoje, com os seus obstáculos e desafios, não é tarefa fácil. E para muitos, o estoque de esperança está acabando. O que seria necessário para restaurar sua esperança?

Apesar das respostas serem abundantes, quero te apresentar alguém que viveu sobre a sombra da desesperança, mas, com ternura e fé, sob onde restaurar a sua esperança – Davi.
Para usar as palavras de Davi em Salmo 23, “Ele restaura minha alma!" Deus, nosso Pastor, é especialista em restaurar esperança para a alma!

A solidão diminui, porque você tem comunhão.
Desespero diminui, porque você tem visão.
Confusão começa a diminuir, porque você ganha direção.

“Quero trazer a memória o que me pode dar esperança”, Lm 3.22

O PREÇO DE UM CHAMADO


"E Eliseu voltou, apanhou a sua parelha de bois e os matou. Queimou o equipamento de arar para cozinhar a carne e a deu ao povo, e eles comeram. Depois partiu com Elias, e se tornou o seu auxiliar." (1 Reis 19:21)

Quando Elias jogou seu manto, ou sua capa sobre Eliseu, foi um gesto simbólico querendo dizer: "Estou passando o meu chamado para você."

A partir de algumas informações encontradas em 1 Reis 19, descobrimos algumas coisas sobre Eliseu. Em primeiro lugar, sabemos que ele era um homem relativamente rico e veio de uma família rica.

Como sabemos isso? Porque a Bíblia diz que ele tinha 12 juntas de bois. Naqueles dias, possuir um par de bois significava que você estava muito bem de vida. Para ter 12 significava que você tinha uma considerável área cultivada. Para Eliseu, seguir a Elias não significava uma vida fácil.

O convite de Elias não era para uma vida de lazer ou de um caminho fácil. A vida de Elias era dura. Ele tinha muitos inimigos. Tinha pessoas que o odiavam, sendo a mais conhecida delas a rainha Jezabel. Para Eliseu seguir a Elias significaria que ele teria os mesmos inimigos. As mesmas pessoas que odiavam Elias agora o odiariam.

Muitas pessoas ficam surpresas ao descobrir que a vida cristã não é um parque, mas um campo de batalha. O dia em que você decide seguir a Jesus Cristo, você começa a enfrentar a oposição do diabo. Ele não quer que você cresça espiritualmente. Ele não quer que você ande para a frente. Por isso, ele vai usar todas as cartas que tem na manga para tentar puxá-lo para trás.

Devemos reconhecer que, para seguir a Cristo há um preço a se pagar. Podemos perder alguns amigos. Podemos ter que desistir de algumas coisas. Pode ser difícil às vezes; mas, certamente vale a pena.

Nos abençoe!
a) Siga-nos no blog - http://professorpadua.blogspot.com.br/
b) Curta a nossa página - https://www.facebook.com/pages/Professor-Pádua/163391750483474

MUDANÇA


Resultado de uma boa conversa com alguém que precisa de mudança!

Estão erradas aquelas pessoas que, diante de seus traumas, vícios ou maus hábitos, acham que não lhes há solução possível. Trata-se de uma mentira que não devemos escutar e nem assumir como verdadeira. 

Mesmo que nos sintamos "um caso perdido", "um lixo" ou "um aparelho sem conserto", a verdade que aprendemos na Bíblia é que todos nós temos jeito porque a graça de Deus se expressa na salvação para a eternidade e também para uma vida transbordante aqui e agora (João 10.10).

Se não estamos bem, precisamos de poder, amor e equilíbrio (2Timóteo 1.7) para a boa jornada que começa com o inevitável encontro conosco mesmos.

Todo diagnóstico só tem valor se for valorizado pela decisão de fazer algo para a mudança da realidade que faz sofrer. Sem ação, que começa com a decisão, o autoconhecimento pode produzir ainda mais dor. Se a caminhada começou, que Deus nos ajude a dar o passo seguinte.

Nos abençoe!
a) Siga-nos no blog - http://professorpadua.blogspot.com.br/
b) Curta a nossa página - https://www.facebook.com/pages/Professor-Pádua/163391750483474

segunda-feira, 12 de maio de 2014

DEIXANDO TUDO (Devocional)


"Pedro lhe disse: 'Nós deixamos tudo o que tínhamos para seguir-te!'" (Lucas 18:28)

Pedro tinha ouvido a conversa entre o jovem rico e Jesus. Foi revelado, sem sombra de dúvida, que as posses possuíam a alma deste jovem. Ele não podia fazer o que Jesus pedira e, como resultado, foi embora desolado.

Pedro, depois de ver que o jovem rico havia desistido, falou: "Veja, nós deixamos tudo e Te seguimos" (Lucas 18:28). Em outras palavras: "o que tens para nós?"

Agora, o que Pedro realmente deixou? Ele deixou algumas redes rasgadas e um barco de pesca, mas ele deixou algo. Não era muito. Mas ele deixou para trás.

Jesus respondeu: "Digo-lhes a verdade: Ninguém que tenha deixado casa, mulher, irmãos, pai ou filhos por causa do Reino de Deus deixará de receber, na presente era, muitas vezes mais; e, na era futura, a vida eterna" (versos 29-30) . Jesus estava dizendo: "Será feito para ti, Pedro."

Esta promessa também é válida para os dias de hoje. O que quer que você dê para Jesus, ser-lhe-á retribuído. Talvez você tenha perdido uma amizade aqui e ali, ou talvez tenha aberto mão de um determinado estilo de vida. Talvez você tenha feito mudanças em sua vida.
Deus vai reverter isso em seu benefício.

Acho que, quando olhar para trás, ficará bem claro que você fez a escolha certa ao decidir segui-Lo. Você vai perceber que não só Deus fez algo por você nesta vida, mas também que fará algo por você na eternidade, quando lhe disser: "Muito bem, servo bom e fiel."

sexta-feira, 9 de maio de 2014

GRAÇA QUE CURA


Philip Yancey conta no seu livro "Maravilhosa graça" que um homem, nocauteado pelo desemprego, tornou-se viciado em pornografia. Assim, todas as tardes, ao fim de um dia de busca por trabalho, passava numa locadora e arrastava os filmes pornográficos que veria em casa. Numa noite, a esposa acordou, percebeu o que se passava, nada disse, nada fez e voltou para dormir. Numa outra noite, a esposa acordou, percebeu o que se se passava, nada disse, mas se assentou ao seu lado e chorou; depois, levantou-se e voltou para a cama. Naquele momento, o homem foi curado. Teve algumas recaídas, mas ficou livre do vício.

Outro autor recorda, na mesma linha, que, após uma mensagem numa igreja sobre o impacto da nossa infância sobre as nossas vidas, contou uma história de uma menina que foi alvo de abuso. Enfático, disse que aquela menina nunca mais se recuperaria daquele trauma. Ao final, um ouvinte o procurou e disse que ele não podia falar aquilo:
- Como fica a graça de Deus: ela não restaura a pessoa?
Reconhecendo seu bem-intencionado erro, a partir daí, quando referia aquele episódio, ressalvava:
- Se não for a graça de Deus, uma menina abusada sexualmente nunca mais se recuperará.

Estas duas histórias mostram que estão erradas aqueles pessoas que, diante de seus traumas, vícios ou maus hábito, não há solução possível. Trata-se de uma mentira que não podemos escutar e nem repetir. Todos nós temos jeito porque a graça de Deus se expressa na salvação para a eternidade e também para uma vida transbordante aqui e agora (João 10.10).

O EGITO DENTRO DE NÓS



Numa frase memorável, George Herbert Morrison recordou o êxodo hebreu, ocorrido segundo a Bíblia há 35 séculos, com os seguintes palavras: "Levou uma noite para tirar Israel do Egito, mas 40 anos para tirar o Egito de Israel".

Tirar Israel do Egito foi uma ação divina, que contou com uma mínima participação humana. Então, o povo começou a sua caminhada. Esta era a sua parte na libertação. No entanto, sua liberdade seria completa quando o Egito saísse da alma do povo. Era uma ação humana esta, com a participação (nunca mínima) de Deus.

O Egito dentro de Israel era, por exemplo, a prática de recorrer aos deuses, como Apis, o deus-boi, a quem os hebreus acabaram buscando no deserto. O Egito dentro de Israel era, também, uma memória corrompida, que tinha saudade dos melões da terra de Gósen, mas se esquecia dos gritos e dos chicotes dos capatazes nas olarias.

Não guardamos o Egito dentro de nós também, ainda hoje?

Deus nos libertou, sem nossa ajuda, e agora quer nos ajudar a que nos libertemos de nós mesmos, seja de nossa idolatria, seja de nossas amarguras, seja de nossos vícios, seja de nossos egoísmos.
Entre o que somos e o que podemos ser há um deserto, que não precisamos percorrer sozinhos. (IBA)

Peço duas coisas:
a) Siga-nos no blog - http://professorpadua.blogspot.com.br/
b) Curta a nossa página - https://www.facebook.com/pages/Professor-Pádua/163391750483474

SERVINDO AO SENHOR (DEVOCIONAL)



"Então Elias saiu de lá e encontrou Eliseu, filho de Safate. Ele estava arando com doze parelhas de bois, e estava conduzindo a décima-segunda parelha. Elias o alcançou e lançou a sua capa sobre ele." (1 Reis 19:19)

O que Eliseu estava fazendo quando Elias o chamou para o serviço do Senhor? Por acaso ele andava por aí dizendo: "eu me pergunto se Deus nunca vai fazer nada em minha vida"?

Não. Ele estava ocupado . Ele estava arando um campo.

Você vai encontrar este padrão em todas as Escrituras. As pessoas que Deus usa são as que são fiéis com o que Ele colocou diante delas. As pessoas que Deus usa para coisas grandes são aquelas que são fiéis nas coisas pequenas.

Muitas pessoas pensam em um dia, talvez dedicar suas vidas ao serviço cristão. Elas dizem: "Eu gostaria de ir para um outro país e talvez me tornar um missionário."

Isso é ótimo, mas que tal servir ao Senhor onde você está exatamente agora? Você acha que algo místico vai acontecer no momento em que pisar em solo estrangeiro? Aproveite as oportunidades em torno de você hoje mesmo.

Se você quer ir para uma terra estrangeira, onde as pessoas falam uma língua diferente, eu conheço um lugar assim. Os habitantes desse lugar são de pequena estatura e difíceis de se entender. Eles testam a sua paciência. Eles são chamados de crianças e, no campo missionário, essa terra é chamada: "Escola Dominical".

Quando estamos ocupados à procura de oportunidades distantes, podemos perder as que estão bem na nossa frente.

Você está servindo ao Senhor agora mesmo, com o que Ele lhe chamou para fazer? Se assim for, seja fiel nisso. Envolva-se com isso. Faça-o bem. Faça-o como para o Senhor. Ele vê você e um dia irá recompensá-lo abertamente. (Devocionais)

Peço duas coisas:
a) Siga-nos no blog - http://professorpadua.blogspot.com.br/
b) Curta a nossa página - https://www.facebook.com/pages/Professor-Pádua/163391750483474

sábado, 3 de maio de 2014

E POR FALAR EM... SAUDADES


"Nós, porém, irmãos, privados da companhia de vocês por breve tempo, em pessoa, mas não no coração, esforçamo-nos ainda mais para vê-los pessoalmente, pela saudade que temos de vocês". (1 Tessalonicenses 2:17)

Reza a lenda que a palavra "saudade" é única na língua portuguesa. Não haveria, em qualquer outro idioma, uma palavra que pudesse traduzir de maneira tão sintética o sentimento ao qual este termo se refere. Contudo, ainda que faltem palavras, a emoção que "saudade" representa é humana, universal.

Só a sente quem precisa ficar longe. Sentir falta é uma sensação particular àquele que gostaria de estar perto, mas não pode. Muitas vezes o trabalho, a universidade, uma pós-graduação, ou quaisquer outros motivos pessoais ou profissionais nos forçam a aprender a lidar com a distância.

Há saudades mais leves, como viagens com data certa para terminar. Outras de natureza mais duradoura, como a mudança de cidade de um filho ou filha queridos, onde a vontade de viajar e estar perto é sempre constante.

No entanto, algumas saudades são tão profundas, tão intensas e de tão grande tristeza que parecem que não vão acabar: são aquelas provocadas pela morte. É quando lágrimas correm e lembramos que Deus "pôs no coração do homem o anseio pela eternidade" (Eclesiastes 3:11). No fundo de nosso ser sentimos que não fomos preparados para esse momento. A morte é uma intrusa.

Graças à Deus por Cristo, que veio para que tenhamos vida em abundância e para nos dar certeza, oriunda da fé, de que aquele que nEle crê, ainda que morra, viverá. A certeza de que quem nEle confia não morrerá eternamente (João 11:25-26). Fiados nessa esperança sabemos que nenhuma dor é eterna, toda angústia vai passar, nossas lágrimas serão enxugadas e a palavra saudade será tão estranha para nós como também o será a palavra morte.

Curta a nossa página - https://www.facebook.com/pages/Professor-Pádua/163391750483474

MEDITANDO NOS DRAMAS DA VIDA - TRAIÇÃO


Confiança é um artigo raro no “mercado” atual. Fomos condicionados a desconfiar de tudo e de todos, acreditando que todos são suspeitos até que se prove o contrário. O pior é quando lutamos, ultrapassamos essa ideologia e acabamos decepcionados pelas pessoas. Voltamos à estaca zero e, agora, voltar a confiar em alguém é muito mais difícil.

Isso se complica muito mais quando falamos de amizade. Um amigo é aquele que é nosso aliado, companheiro, protetor. Sendo assim, se nos deparamos com atitudes que contrariam essa definição natural, a decepção é muito maior. De um pai se espera proteção. De um amigo se espera aliança, confiança. Essa é a ordem natural e contrariá-la é criar feridas profundas em nossos corações.

Não podemos imunizar o nosso coração contra as possíveis decepções de uma amizade, pois quem cria anticorpos contra a possibilidade de ser amado acaba morrendo. Com medo de ser traído, não se deixa mais amar, não ama e morre.

Talvez você tenha sido traído por um amigo e se fechou a outras possibilidades de amizade. Olhe para você e poderá perceber que seu coração está atrofiando. Peça ajuda ao Senhor e volte a amar. Abra-se novamente, dê esse passo. Pode até doer nos primeiros dias de exercício, pois seu coração estava muito tempo parado, mas depois ele vai ganhar ritmo e amar com toda potência. Deus está com você, como um Amigo, só esperando a sua decisão para ajudá-lo a superar. Recomece as suas amizades a partir do Senhor. Quem ama perdoa, supera e segue em frente. Arrisque-se novamente e experimente, em Deus, um novo começo, uma vida nova, a ressurreição do seu coração.

Curta a nossa página - https://www.facebook.com/pages/Professor-Pádua/163391750483474

A BENÇÃO DA INCLUSÃO


Já orei e Deus me alimentou e me fez refletir algo que me traz conforto.

É bom ser incluído. Nem sempre você é. Universidades lhe excluem se você não for inteligente o suficiente. Negócios lhe excluem, se você não é qualificado o suficiente, e tristemente, algumas igrejas lhe excluem, se você não é bom o suficiente. Mas apesar delas lhe excluírem, Cristo lhe inclui. Quando pediram para descrever a largura do Seu amor, Ele estendeu uma mão para a direita e outra para a esquerda, e deixou serem pregadas naquela posição para que você soubesse que Ele morreu lhe amando.

Com certeza, esse amor tem que ter um limite. Você pensaria isto, não é? Mas Davi, o adúltero, nunca o encontrou. Paulo, o assassino, nunca encontrou. Pedro, o mentiroso, nunca encontrou. Quando se tratou de vida, eles chegaram ao fundo do poço. Mas quando se tratou do amor de Deus, não.

Quão largo é o amor de Deus? Largo o suficiente para o mundo inteiro. Você está incluído!

Vou dormir sorrindo e cantando "Quão grande é o meu Deus. Cantarei quão grande é o meu Deus. E todos hão de ver... Quão grande é o meu Deus".

Curta a nossa página - https://www.facebook.com/pages/Professor-Pádua/163391750483474

EM QUE POSSO SER ÚTIL? - DEVOCIONAL


“Temos diferentes dons, de acordo com a graça que nos foi dada. Se alguém tem o dom...” - Romanos 12:6

Quais são os melhores dons espirituais que um crente pode ter? Depende. 

Se eu tiver muita dificuldade em repartir a minha fé com alguém e você aparecer com o seu dom de evangelizar, então esse é o melhor dom em particular nesse momento. 

Mas digamos que eu esteja tentando compreender o significado de uma determinada passagem das Escrituras e Deus tenha lhe dado o dom de ensinar. Se você aparecer exatamente nessa hora, não será de grande ajuda para mim?

Digamos ainda, que eu esteja desenvolvendo um projeto complexo e que esteja tendo problemas. Preciso muito mesmo neste momento é de alguém com dom de auxílios ou de administração.

Se eu estiver desanimado num leito de hospital, não será exatamente de um estudo bíblico que eu precisarei. Não preciso que alguém venha e me ajude a organizar a vida. O que eu preciso nessa hora é de alguém com o dom de exortação ou encorajamento. Preciso de alguém que venha e me ajude a ver que Deus ainda está no controle da minha vida.

Cada um desses dons tem importância, pois foi Deus quem os distribuiu. Erramos feio ao achar que alguns dons possuem mais importância do que outros. Todos têm o seu lugar, e Deus os distribuiu conforme Ele quis. Então, devemos orar assim: "Senhor, quais são os meus dons? Ajude-me a descobri-los. Ajude-me a desenvolvê-los. Ajude-me a usá-los". Um dia, quando estiver perante Deus, você prestará contas do que Ele o chamou para fazer. E um dia Ele vai recompensá-lo por ter sido fiel com aquilo que Ele lhe deu. (Devocionais)

Curta a nossa página - https://www.facebook.com/pages/Professor-Pádua/163391750483474