domingo, 21 de agosto de 2011

AMOR – PRINCIPIO NORMATIVO DA VIDA CRISTÃ (Romanos 12.14-16 - Filipenses 2.5-11)



INTRODUÇÃO

O apóstolo Paulo vem descrevendo com muita coerência a ética do comportamento cristão.O amor é o grande principio normativa da ação cristã. Na comunidade do povo de Deus cada crente é chamado para efetivar o amor ao próximo através de suas ações. O amor é um principio fixo da natureza divina, não é algum beneficio que opera somente em favor dos objetos que lhe são agradáveis. O amor de Deus é um poder transformador que pode modificar completamente o objeto amado. Vejamos o que, à sombra do amor de Deus, podemos investir nas outras pessoas e em nós mesmos.

I. ABENÇOAI OS QUE VOS PERSEGUEM 
“abençoai os que vos perseguem, abençoai e não amaldiçoeis” Rm 12.14 

Algumas vezes as crises pelas quais passamos podem nos levar a um sentimento de vingança em relação às pessoas que nos prejudicam. Esse é um comportamento normal aos incrédulos, que tem facilidade em maldizer as outras pessoas. Ao cristão, nascido de novo, suas atitudes estão na contramão do mundo: 

1. Amar e orar pelos seus inimigos e perseguidores, Mt 5.44-45; 
2. Evitar a vingança e abençoar os opositores, I Pe 3.8-11; 
3. Cristo teve este mesmo sentimento, Fp 2.5. 

É bom lembrar que cada um reflita sobre o que tem feito, falando a respeito dos líderes, das pessoas e dos irmãos. Cada um de nós deve aprender a dizer bem a respeito dos outros, Tg 3.9-12. 

II. ALEGRAI-VOS COM OS QUE SE ALEGRAM E CHORAI COM OS QUE CHORAM, Rm 12.15.
“Alegrai-vos com os que se alegram e chorai com os que choram” – Rm 12.15
A Psicologia, principalmente a que trata de relações sociais, classifica quatro tipos de comportamentos no trato do próximo: 

a) Simpatia: A simpatia está diretamente ligada à maneira simples, sincera e delicada de tratar uma pessoa com naturalidade e satisfação.     

b) Antipatia: antipático é aquele que se coloca em oposição ao sentimento alheio. As frases mais comuns do antipático em relação ao sofrimento alheio são: bem feito, que se dane, ainda poderia ter sido pior.

c) Apatia: Significa: ausência de sentimentos, insensibilidade. O apático não dá importância ao sofrimento alheio que, para ele, praticamente, não existe. As suas frases mais comuns são: E eu com isso? Já tenho problemas demais; não é problema meu.

d) Empatia:
A empatia, é a capacidade de se colocar no lugar do outro para melhor atendê-lo, conhecê-lo ou servi-lo. Para entender o próximo é preciso, primeiramente, aprender a conhecer a si mesmo.

Contudo, no texto que lemos o apostolo Paulo exalta a graça cristã da empatia. Quanto mais a pessoa vai desenvolvendo a sua salvação, mais empático ela se tornará. Ser empático é um mandamento do Senhor Jesus, Gl 6.2.

III. TENDE O MESMO SENTIMENTO UNS PARA COM OS OUTROS
“Tende o mesmo sentimento uns para com os outros”, Rm 12.16a
Paulo está focalizando a necessidade de harmonia entre os irmãos. A harmonia é um dos resultados naturais do amor, da mesma forma que a dissensão, os conflitos e a confusão são resultados naturais do orgulho e da vaidade, Ef 4.31-32.

A harmonia entre nós é produzida pela operação amorosa Espírito Santo, a qual produz todo o seu fruto em nos, Gl 5.22-26.

A nossa harmonia e unidade é um meio eficaz para o testemunho cristão, Jo 17.23

IV. CONDESCENDEI COM O QUE HUMILDE.
“...em lugar de serdes orgulhosos, condescendei com o que é humilde” – Rm 12.16b
Cada crente deve identificar-se com os demais. Não pode haver distinção que promova a divisão do corpo de Cristo. Não se deve privilegiar a quem tem uma melhor posição social e intelectual, Tg 2.1-5,9; At 10.34. (Testemunho Pessoal – Livro).

III. NÃO SEJAIS SÁBIOS AOS VOSSOS PROPRIOS OLHOS.
“...não sejais sábios aos vossos próprios olhos”. Rm 12.16c
O Apostolo Paulo orienta que o amor cristão elimina o orgulho e a presunção. É um perigo para o cristão começar a se comparar com os seus irmãos e julgar-se melhor. Muitas vezes os que querem se mostrar mais espirituais são os mais orgulhosos e quase nunca aceitam a orientação de seus líderes.

Virtudes e Recomendações:
1. Considerar os outros superiores, Fp 2.3-4;
2. Verdadeira Sabedoria, Tg 3.13.18

CONCLUSÃO
Nesse mundo dominado pelo diabo, e contaminado pelo pecado, o verdadeiro amor está cada vez mais escasso. O próprio Senhor Jesus disse: “E, por se multiplicar a iniqüidade, o amor de muitos esfriará” (Mt 24.12). 

Porém, aquele que está em Cristo ama, não só a Deus, mas também ao próximo e até mesmo a seus inimigos, pois “…o amor de Deus está derramado em nossos corações pelo Espírito Santo que nos foi dado” (Rm 5.5).
O Cristianismo verdadeiro é um relacionamento de amor a Deus e amor ao próximo. Amarás o teu próximo como a ti mesmo. Você está vivendo na prática esse mandamento?
Prof. Antônio de Pádua
Ministrado na IP de Salgado de São Félix - PB
20 de Agosto de 2011.
__________________________________ 
Fonte de Pesquisa
BRUCE, Frederick Fyvie. Romanos: Introdução e comentário. São Paulo: Vida Nova, 2005.
CARSON, D.A., MOO, J., MORRIS, Leon. Introdução ao Novo Testamento. São Paulo: Vida Nova, 1997.
CHALITA, Gabriel. Pedagogia do amor: contribuição das histórias universais para a formação de valores das novas gerações. São Paulo : Editora Gente, 2003.


domingo, 14 de agosto de 2011

MEIA NOITE - O FIM DE UM COMEÇO



“Mas, à meia-noite, ouviu-se um grito: Eis o noivo! Saí ao seu encontro!” – Mateus 25.6

O Texto nos chama atenção, para os símbolos usado pelo evangelista Mateus – meia noite, um grito e o noivo. Destes símbolos, o mais complexo é meia noite – meia noite é tempo de dormir e não de realizar casamento. Meia noite não se trata propriamente das diferenças – dia e noite. E sim, refere-se (como usada por Mateus) uma hora inesperada. A vinda do noivo (Jesus) será em um momento não somente tardio e improvável, mas também inapropriado. 

O termo meia noite na bíblia sempre está ligado a fatos inesperados, por exemplo:
1. Eliú, o amigo de Jó, diz que a meia noite os povos e os poderosos são pertubados, Jó 34.20; 
2. A meia noite o dono de casa se levantou para atender de forma inesperada, um vizinho que lhe pedia três pães, Lc 11.5; 
3. Foi a meia-noite que uma mulher seqüestrou um nenezinho vivo de outra mulher, colocando seu nenezinho morto no lugar do nenezinho, I Rs 3.20; 
4. Foi a meia noite que um rapaz chamado Éutico caiu de uma janela do terceiro andar e foi dado como morto, At 20.7-9;
 5. Foi a meia noite que o Senhor passou pelo Egito e feriu todos os primogênitos desde os homens até os animais, Ex 12.29; 
6. vale notar, que foi a meia noite, que o Titanic deu de encontro a um enorme iceberg e começou a naufragar, matando 1513 pessoa. 

Mas a pior meia noite ainda está para acontecer. Será um momento inesperado com implicações muito sérias. Meditemos sobre esta tão inesperada meia noite e o seu significado real. 

I. MEIA NOITE – TERMINO DE UM DIA 

A meia noite, o dia termina definitivamente. Tudo o que nele aconteceu é passado, virou história. Este é o sentido da profecia relativa a meia noite, ou seja, fala de um dia, de um período de tempo que terminou. Há um período de preparação e um tempo em que será tarde demais para preparar-se. Independente de qualquer teoria escatológica (milenistas, pré-milenistas ou amilenistas), vivemos de forma inequívoca os últimos momentos da igreja. 

Os apóstolos denunciaram e apresentaram características destes últimos momentos:
a) Apostasia da verdadeira fé, I Tm 4.1
b) Tempos difíceis, II Tm 3.1
c) Escarnecedores da fé, II Pe 3.3 

Há um período de preparação e um tempo em que será tarde demais para se preparar. Portanto, quando já se põe o sol e a noite se aproxima, se faz necessário:
a) Verificar o nosso nível de acomodação neste mundo, Rm 12.1;
b) Rever nossos conceitos e valores, Lc 12.31;
c) Buscarmos a santidade, Hb 12.14 

II. MEIA NOITE – A HORA DO CLAMOR

O texto nos informa, que um grande grito soou a meia noite. As pessoas que viviam em função deste grito, reagiriam de duas maneiras:
1. As prudentes – embora apanhadas pelo sono, mas perfeitamente despertas, regozijaram-se no fato de que estão preparadas, ou sejam, agiram com alegria. 
2. Para outros, porém, que subitamente serão despertadas, lembrar-se-ão que não se prepararam, esse grito, para eles, será motivo de angústia.

Quais as implicações destes fatos na nossa vida cristã? 
a) Quando irromper o chamado da meia noite ( I Ts 4.16-17), não haverá mais tempo para a preparação, v. 10.
b) O clamor da meia noite revela que a preparação é inteiramente individual. Cada um deverá desenvolver a sua prudência, v. 9 

O conselho dado pelas jovens prudentes foi um bom conselho: mas era impossível de seguí-lo. Por que? Porque logo após os convidados e as virgens terem entrado – fechou-se a porta, e isto culminou em suas total exclusão das bodas. O clamor da meia-noite poderá ser de alegria ou de angústia, e a preparação prévia é que determinará se será de uma forma ou de outra maneira. 

III. MEIA NOITE – HORA DAS TREVAS 

Para todos aqueles familiarizados com as Escrituras, sabe muito bem que o fim está próximo. E que este fim será marcado por densas trevas. 
1. A natureza sente as trevas, Rm 8.20-22 - Todo o eco sistema e toda a natureza geme, sentindo a meia noite que se aproxima. 
2. Os homens sentirá as trevas, Lc 21.25-26 - A bíblia anuncia que as trevas provocadas pela proximidade da meia noite, resultará em sinais cósmicos que deixará todos os homens em aflição sem igual. 
3. As nações estão em trevas, Mt 24.6-8 - Há guerras e rumores de guerras, valores morais desintegrados pelo relativismo, a opressão desrespeitando o direito humano de viver com dignidade (fome, desemprego, etc.).

Tudo isso mostra o aproximar da meia noite, que será de densas trevas. O Espírito santo está nos despertando para a meia noite da existência humana. E devemos orar para que estejamos na condição de servo fiel. - "Estejam cingidos os vossos lombos, e acesas as vossas candeias. E sede vós semelhantes aos homens que esperam o seu senhor, quando houver de voltar das bodas, para que, quando vier, e bater, logo possam abrir-lhe. Bem-aventurados aqueles servos, os quais, quando o Senhor vier, achar vigiando! Em verdade vos digo que se cingirá, e os fará assentar à mesa e, chegando-se, os servirá." Lucas 12.35-37.

O aproximar da meia noite nos ensina a necessidade de estarmos preparados, contudo, há três verdades práticas: 
1. O mérito religioso não pode ser transferido, v.9 
2. A porta da graça, uma vez fechada, não se abre mais, v.10-11 
3. A meia noite é um período inesperado, v.13 

Amados, quando Cristo vier, será impossível a qualquer pessoa ignorar seu estado espiritual. Serão revelados todas as coisas escondidas, a verdadeira condição espiritual de cada um. Ninguém mais poderá enganar a si mesmo - "Portanto, assim te farei, ó Israel! E porque isso te farei, prepara-te, ó Israel, para te encontrares com o teu Deus." Amós 4.12.




sexta-feira, 5 de agosto de 2011

PREOCUPAÇÃO – O DILEMA DA VIDA - Filipenses 4.1-13


INTRODUÇÃO

Quando lemos jornais ou assistimos a TV, somos expostos a uma multidão de problemas e crises que gera uma ansiedade e preocupação. Além destes, há os nossos problemas pessoais que gira em torno de doenças, economia doméstica, contas, etc. Quando somamos as crises do país como as nossas crises, notamos que as pessoas se curvam sob o peso da ansiedade.

O que fazer? Ser cristão não imuniza-nos contra as ameaças de preocupações – não existe uma vacina. Nos enfrentamos os mesmos problemas geradores de preocupações que infestam toda a gente.

Só que Deus não permite ao cristão se preocupar - "Por isso vos digo: Não andeis cuidadosos quanto à vossa vida, pelo que haveis de comer ou pelo que haveis de beber; nem quanto ao vosso corpo, pelo que haveis de vestir. Não é a vida mais do que o mantimento, e o corpo mais do que o vestuário?" (Mateus 6.25)

1. CONCEITUANDO A PREOCUPAÇÃO / ANSIEDADE

A preocupação é um estado de inquietação ou apreensão pelo que possa acontecer, ou seja, é um sofrimento por coisas que ainda não aconteceram.
Dr. Gary Collins – “A doença do século”.
Prof. Jonh Haggai – “O inimigo n.º 1 das pessoas”.
Preocupação (Gr. Merimna), significa dividir, pessoas mentalmente divididas.

2. O QUE PROVOCA A PREOCUPAÇÃO?

Nos dias contemporâneos o quadro não é muito diferente. A ansiedade tem entrado nos corações com muita força, roubando o lugar reservado ao Espírito Santo de Deus; as causas são as mais diversas, entre elas.

1- Dificuldade financeira (geralmente provenientes de negócios e ações realizadas por impulso, sem a devida analise de rendimentos. É muito fácil comprar, são os crediários, cartões, etc. Mas, são compromissos que vencem e precisam ser honrados.);
2- Situação Profissional (Emprego no Brasil é extremamente difícil);
3- Família (Educação de filhos, problemas conjugais, etc.);
4- Espiritual (É comum encontrarmos irmãos ansiosos por verem as promessas de Deus cumprir-se em suas vidas);  etc.

O Sr. Jesus colocou o dedo nas principais preocupações da vida – alimento e vestuário -  "Por isso vos digo: Não andeis cuidadosos quanto à vossa vida, pelo que haveis de comer ou pelo que haveis de beber; nem quanto ao vosso corpo, pelo que haveis de vestir. Não é a vida mais do que o mantimento, e o corpo mais do que o vestuário? Não andeis, pois, inquietos, dizendo: Que comeremos, ou que beberemos, ou com que nos vestiremos?" Mt 6.25,31.

Por que nos preocupamos? Porque deixamos de crer em Deus! Jesus ilustrou a questão claramente no voltar-se para a natureza - "Olhai para as aves do céu, que nem semeiam, nem segam, nem ajuntam em celeiros; e vosso Pai celestial as alimenta. Não tendes vós muito mais valor do que elas? E, quanto ao vestuário, por que andais solícitos? Olhai para os lírios do campo, como eles crescem; não trabalham nem fiam; E  eu vos digo que nem mesmo Salomão, em toda a sua glória, se vestiu como qualquer deles." Mt 6.26-29

3. OS ASPECTOS NEGATIVOS DA PREOCUPAÇÃO

1. A preocupação cria muito problemas e nada constrói, Mt 6.27
"E qual de vós poderá, com todos os seus cuidados, acrescentar um côvado à sua estatura?" (Mt 6:27)

2. A preocupação cria problemas emocionais.
A preocupação torna as pessoas tensas, nervosas, apreensivas e retraídas. Ela impede a capacidade emocional de tomar decisões e torna-nos incapazes de lidar com a vida.

3. A preocupação causa problemas físicos.
Um médico especialista em estômago afirmou que 80% dos distúrbios estomacais das pessoas não são orgânicos, mais funcionais, geradas por medo, ansiedade, etc.

4. A preocupação gera problemas espirituais, pois:
A preocupação neutraliza o efeito da Palavra de Deus em nossa vida - "E o que foi semeado entre espinhos é o que ouve a palavra, mas os cuidados deste mundo, e a sedução das riquezas sufocam a palavra, e fica infrutífera;" (Mt 13:22).

A preocupação desequilibra as prioridades espirituais - "Marta, porém, andava distraída em muitos serviços; e, aproximando-se, disse: Senhor, não se te dá de que minha irmã me deixe servir só? Dize-lhe que me ajude. E respondendo Jesus, disse-lhe: Marta, Marta, estás ansiosa e afadigada com muitas coisas, mas uma só é necessária; "E Maria escolheu a boa parte, a qual não lhe será tirada." (Lc 10:42)

A preocupação nos leva a perder a visão da volta de Cristo - "E olhai por vós, não aconteça que os vossos corações se carreguem de glutonaria, de embriaguez, e dos cuidados da vida, e venha sobre vós de improviso aquele dia." (Lc 21:34)

4. ORIENTAÇÕES BÍBLICAS
1. Alegrai-vos no senhor, v.4.4
2. Pare de preocupar-se e ore,  v.4.5-6.
3. Entende que somente em Deus encontramos paz, v.7
4. Tenha pensamentos positivos, v.8
5. Focalize em vidas sérias com Deus, v.9
6. Desenvolva o contentamento cristão, v.11
7. Viva um dia a cada dia, Mt 6.34

Parar de preocupar-se é um ordem que se baseia no cuidado de Deus para conosco. É uma ordem e não um pedido – é uma ordem que vai direto aos reais problemas da vida. O apóstolo Pedro nos ensina que temos que parar com a tensão e soltar-se - "Lançando sobre ele toda a vossa ansiedade, porque ele tem cuidado de vós." (1 Pe 5:7) A idéia de lançar a nossa ansiedade diante de Deus é transportarmos um sentimento particular para o nosso Deus.

conclusão

A revista Ultimato (Janeiro/fevereiro de 1999), trouxe um texto digno de observação, quando o assunto é preocupação. O texto tem o seguinte título:

INVERTA A SUA PREOCUPAÇÃO!

Você está preocupado com muitas coisas ao mesmo tempo. 
Você anda nervoso, agitado, mal-humorado, impaciente, aborrecido.
Você é uma pessoa incômoda. Muitos não gostam de sua presença e começam a se afastar de você. Além de volumosa demais, a sua preocupação não está na direção certa.
Inverta a sua preocupação.
Da preocupação com o ter, passe a se preocupar com o ser.
Da preocupação com o que comer, o que beber e o que vestir, passe a se preocupar com o reino de Deus (Mt 6.25-33).
Da preocupação com você, passe a se preocupar com os outros (Fp 2.4).
Da preocupação com o tempo presente, passe a se preocupar com a eternidade.
Da preocupação com o corpo, passe a se preocupar com a alma.
Da preocupação com a morte, passe a se preocupar “com a glória por vir a ser revelada em nós” (Rm 8.18).
Da preocupação com a doença, passe a se preocupar com o corpo imortal e incorruptível da ressurreição (I Co 15.53).
Da preocupação com os tesouros da terra, onde a traça e a ferrugem corroem, passe a se preocupar com os tesouros do céu, onde nada disso acontece (Mt 6.19-21).
Da preocupação com o seu próprio nome, passe a se preocupar com o nome de Jesus (Fp 2.10).
Inverta a sua preocupação e certamente você será mais feliz porque “mais bem aventurado é dar do que receber” (At 20.35).