sábado, 8 de abril de 2017

O PROBLEMA DE SE AFASTAR DA IGREJA (Hebreus 10.19-25)


INTRODUÇÃO

“Igreja”, conforme o Novo Testamento nos ensina, é uma comunhão de pessoas que professam a mesma fé em Jesus Cristo. Estes irmãos se reúnem e desenvolvem atividades que identificam o grupo (grande ou pequeno, em casas ou templos, com denominação ou sem denominação) como uma expressão visível da Igreja de Cristo, o seu corpo, a sua noiva, Igreja esta invisível, una e universal.

Estas atividades que caracterizam uma "igreja" local são: estudo da Palavra de Deus, realização do batismo e da Ceia e o exercício da disciplina espiritual entre si. Além destas atividades, uma “igreja” – não no sentido de templo, prédio, construção ou denominação – têm líderes espirituais que a governam, e que são escolhidos de entre os irmãos.[1]

É comum ouvirmos falar sobre tipos de pessoas que resolvem de forma precipitada, se afastar da igreja (corpo de Cristo), usando vários argumentos para tais decisões. Daí surge duas classificações para estas pessoas.

DESIGREJADO – É aquela pessoa que se professa crente em Jesus Cristo, mas que não tem qualquer relacionamento sério com uma comunidade cristã. Aparece vez por outra de forma esporádica. Muitas vezes é uma pessoa de bom testemunho.[2]

DESVIADO - O desviado seria aquele que não apenas deixou a igreja, mas afastou-se do próprio Cristo, voltando às práticas pecaminosas que antes dominavam sua vida. 


O QUE NOS ENSINA A BÍBLIA SOBRE A IMPORTÂNCIA DE NOS CONGREGARMOS.

Cristianismo desigrejado é algo fortemente antibíblico. O povo de Deus é chamado para viver em uma comunidade amorosa e intencional uns com os outros, nunca para viver isoladamente (At 2.42-47). Isto ocorre, naturalmente, por desígnio de Deus. Ele sabe o que seus filhos precisam, e sua Palavra está repleta de passagens ressaltando o papel central que a igreja local deve desempenhar em nossas vidas. 

Precisamos:
1) dos meios da graça da Palavra, dos sacramentos e da oração, At 2.42.
2) de supervisão espiritual, Hb 13.17.
3) de constante encorajamento e prestação de contas, Hb 3.13.
4) Precisamos uns dos outros, Rm 12.3-8; Ef 4.1-16.

A igreja é:
1) um corpo com muitas partes, 1Co 12.12-31
2) uma família com muitos membros, Gl 6.10
3) um templo com muitas pedras vivas, 1 Pe 2.5
4) uma nação com muitos cidadãos, 1 Pe 2.9. 

Essas e outras metáforas bíblicas enfatizam a natureza e a necessidade de a igreja para a vida cristã. Os crentes são unidos a Cristo, e em virtude dessa união, são unidos uns aos outros (Jo 17.21). Uma vez que o compromisso com a igreja local é algo inegociável, o escritor inspirado aos Hebreus exorta os crentes a não deixarem de se congregar (10.25). 

Aparentemente, era “hábito de alguns” negligenciar o culto público e, assim, desprezar a família da igreja. A fim de guardar firme a confissão da esperança, sem vacilar (v. 23) e permanecer ancorados em suas bases espirituais, era fundamental que todos permanecessem sob o ministério sadio da Palavra e em estreita comunhão uns com os outros. A santificação é melhor cultivada no solo da adoração e comunhão centradas em Cristo. [3]

Em vista do projeto de Deus para o crescimento espiritual, o escritor exorta os cristãos: “consideremo-nos também uns aos outros, para nos estimularmos ao amor e às boas obras” (v. 24). 

Os dois verbos importantes neste versículo são “considerar” e “estimular”. Os cristãos são exortados a “considerar” ou “prestar atenção” seriamente às necessidades espirituais dos outros, e não apenas as suas próprias. Deus quer que nos questionemos: “Como eu posso pessoalmente ‘estimular’ ou ‘provocar’ (em grego: paroxysmos, “positivamente estimular”) meus irmãos e irmãs em Cristo ‘ao amor e às boas obras’”? Em contraste com egocêntricos que vivem de igreja em igreja, o crente que humildemente aceita esta abordagem não tem em vista “o que é propriamente seu, senão também cada qual o que é dos outros” (Fp 2.4). [4]

Dependendo dos dons espirituais de cada um, esse “estimular” aos outros pode assumir diferentes formas. Por exemplo, alguns podem possuir especialmente dons de hospitalidade, abrindo suas casas com o propósito expresso de estimular outros crentes. Outros podem se destacar em encorajamento verbal ou escrito. Outros ainda podem possuir dons de serviço aos outros, e por seu exemplo inspirar “amor e boas obras” no meio do rebanho.

Conquanto os membros do corpo de Cristo possuam dons diversos para graciosamente “estimular” os outros “ao amor e às boas obras”, o autor de Hebreus nos lembra a maneira mais óbvia que todos nós podemos encorajar outros crentes: através da participação fiel nos cultos semanais, no Dia do Senhor. Quando sobre “Santa Convocação” os cristãos se reúnem para adorar em espírito e verdade, para ouvir a Palavra, confessar pecados, cantar salmos e cânticos bíblicos, confessar a fé, testemunhar batismos, receber a comunhão, fazer votos e calorosamente saudar uns aos outros em Cristo, eles ativamente e misteriosamente promovem a união cristã e “estimulam” outros a uma vida piedosa. 

Querido cristão, sua participação ativa e alegre na adoração do Dia do Senhor é essencial para o incentivo e crescimento espiritual de outros. A sua ausência, contudo, tem o efeito oposto.

O comentador reformado Simon J. Kistemaker observa que uma das primeiras indicações de uma falta de amor a Deus e ao próximo é quando um cristão se afasta dos cultos de adoração. Um cristão assim abandona as obrigações comunitárias de participar dessas reuniões e exibe os sintomas de egoísmo e egocentrismo. [5]

Uma devoção firme à adoração comunitária comunica não só amor e dependência do Deus trino, mas também amor e compromisso com o corpo de Cristo. Confessar a “comunhão dos santos” no Credo dos Apóstolos é afirmar que todos os cristãos “devem sentir-se obrigados a usar seus dons com vontade e alegria para o bem dos outros membros” [6]. A menos que providencialmente impedido, portanto, faça da freqüência à igreja a mais alta prioridade em sua agenda semanal, e, assim, “façamos admoestações e tanto mais quanto vedes que o Dia se aproxima” (Hb 10.25b). 


____________________________
[1] SPROUL, R. C. Verdades essenciais da fé cristã. 3º caderno. 4ª ed. São Paulo: Editora Cultura Cristã, 2010, p. 7
[2] CAMPOS, Idauro. Desigrejados – Teoria, história e contradições do niilismo eclesiástico. São Gonçalo: Editora Contextualizar, 2014, p. 46
[3] LAUBACH, Fritz Cartas Aos Hebreus Curitiba: Evangélica Esperança, 2000, p. 58
[4] GUTHRIE, Donald – A Carta aos Hebreus Introdução e Comentário; São Paulo; 1999; Ed. Vida Nova.
[5] KISTEMAKER, Simon. Hebreus São Paulo: Editora Cultura Cristã, 2004, p 83.
[6] MARRA, Cláudio A. ed., Confissão Belga e Catecismo de Heidelberg. São Paulo: Editora Cultura Cristã, 2005, p. 55

Um comentário:

Alex Vieira disse...

Excelente artigo, meu amigo Prof. Pádua!
Tenho me interessado muito nesse tema ultimamente e, inclusive sugeri ao Rev. Hernandes para escrever um livro sobre o assunto. Temos muitos materiais, sei disso, mas o assunto é inesgotável e o que temos ainda é insuficiente, tamanho crescimento dessa nova "modalidade" de "cristão".

Deus continue te abençoando!