domingo, 27 de novembro de 2016

PAPA FRANCISCO: MAIS UMA FALÁCIA DAQUELE QUE SE DIZ VIGÁRIO DE CRISTO


O Papa Francisco se manifestou com pesar acerca da morte de Fidel Castro, neste sábado (26). O pontífice enviou um telegrama ao líder cubano, Raúl Castro, lamentando a partida do irmão mais velho do atual presidente de Cuba.

“Meu sentimento de tristeza para sua excelência e sua família”, escreveu o Papa Francisco em um trecho. Francisco ainda ofereceu uma oração a Fidel e disse que confia a “todo o povo cubano a intercessão materna de Nossa Senhora da Caridade do Cobre, padroeira do país”.

Olha, o papa considerado pelos católicos o Sucessor de São Pedro, considerado o Vigário de Cristo e perpétuo e visível princípio e fundamento da unidade da Igreja, tem cometido uma série de atrocidades contra o Cristianismo. Essa de de ser solidário a família do famigerado comunista Fidel Castro é de amargar.

Será que este papa nunca leu o livro de Armando Valladares, ex-preso político cubano, ex-embaixador norte-americano junto à Comissão de Direitos Humanos da ONU e autor do livro "Contra Toda Esperança" onde mostrou que em 17 setembro de 1961, 131 padres diocesanos e religiosos foram expulsos de Cuba? E que os cristãos que ficaram eram proibidos de exercer profissões como filósofo, psicólogo, professor?

Será que o Papa, não tem conhecimento que os cristãos sempre sofreram constantes perseguições do governo cubano por causa de sua fé? Desde 1969, por exemplo a produção e importação de Bíblias eram proibidas. Isso só voltou ao normal alguns meses atrás. Nos anos 60, por exemplo, o regime político vigente declarou guerra ao cristianismo, e literalmente declarou que a "religião era a coisa mais danosa que podia existir debaixo do céu”. 

Será que o Papa desconhece que na Ilha de Fidel foram executadas 17 mil pessoas — não se sabe quantas morreram nas masmorras? Só os reconhecidamente executados são 0,154% da população. Caracterizá-lo como um assassino não é uma questão de gosto, mas de fato; não se trata de tomar essa característica como parte de seu legado supostamente ambíguo. Não há nada de ambíguo em fuzilar 10 mil. É coisa de facínora. Como é incontroverso que ele e seu amiguinho, o Porco Fedorento Che Guevara, criaram campos de concentração na ilha, os da UMAP (Unidade Militar de Apoio à Produção), formados por prisioneiros políticos, que chegaram a 30 mil! Ali estavam religiosos, prostitutas, homossexuais, opositores do regime, criminosos comuns…

Será que o para desconhecem a depuração anti-homossexual da ditadura comunista de Fidel? Pois é, os movimentos gays, que costumam ser simpáticos à esquerda, deveriam saber que a Universidade Havana passou por uma depuração anti-homossexual. Isso mesmo. Em sessões públicas, os gays eram obrigados a reconhecer seus “vícios” e a renunciar a eles. As alternativas eram demissão e cana (em sentido literal e metafórico). Segundo O Livro Negro do Comunismo, desde 1959, estima-se em 100 mil o número de pessoas que passaram pela cadeia ou pelos “campos” de reeducação no país. Os fuzilamentos são estimados entre 15 mil e 17 mil pessoas.

Será que o papa desconhece o decreto de 1959 pelo Papa João XXIII quando foi anunciado que Fidel Castro foi excomungado por liderar a revolução comunista em Cuba?

O Papa Francisco, continua cometendo erros contra o próprio cristianismo. Esta agora apenas uma. Falarei sobre outras falácias desse religioso.


Fonte dessas informações:

Papa Francisco sobre morte de Fidel Castro: “Sentimento de tristeza” -
/https://jornalistaslivres.org/2016/11/papa-francisco-sobre-fidel-castro/
- O Livro Negro do Comunismo — Crimes, Terror e Repressão. Bertrand Brasil, 1999. Organizado por Stéphane Courtois, Jean-Louis Margolin, Nicolas Werth, entre outros.
- Cuba, uma nova História. Richard Gott. Zahar Editores. 2006
- Contra Toda Esperança. Armando Valadares, Editora Intermundo, 1986.

Nenhum comentário: