sexta-feira, 13 de dezembro de 2013

LIÇÃO 08 – DISCIPULADO – CONHECENDO A SUPREMACIA JESUS (Mt 16.13-20)



INTRODUÇÃO

Certa ocasião Jesus indagou dos seus discípulos sobre o que as pessoas estavam falando a seu respeito. “Quem dizem os homens ser o Filho do Homem?” Mt. 16.13.  Eles responderam: uns dizem que o Senhor é João Batista, outros acham que é Elias, outros Jeremias, ou generalizam achando que o Senhor é um dos profetas. É interessante sabermos que o próprio Senhor espera ouvir de nós se temos conhecimento sobre quem Ele é. Porque após as respostas, Ele pergunta: e vós quem dizeis que Eu sou? A única forma de permanecermos na presença de Deus, servindo a Ele em meio a tanta iniqüidade em nossos dias nesse mundo, é procurando conhecer ao Senhor Jesus, dia após dia. O preço para conhecer Jesus é buscar a comunhão diariamente, através da oração, meditação na Palavra consagração, assiduidade nos cultos e escola bíblica, 1 Jo 2.6. 

1. JESUS E SUA INFANCIA[1]

Pouco se sabe sobre a infância de Jesus, contudo, algumas informações dos Evangelhos canônicos - Mateus, Marcos, Lucas e João - nos deixam reconstruir este tempo da vida de Jesus, que passa sem registro direto. A infância de Jesus não era algo desconhecido pelas pessoas da época, Mt 13.54-58. Conhecemos cinco eventos da infância de Jesus, são eles:

a) Circuncisão - Ele foi circuncidado ao oitavo dia e recebeu o nome de Jesus, Lc 2.21.

b) Apresentado no templo - Ele foi apresentado no templo e também foi "redimido" pelo pagamento dos cinco ciclos. Para efeito de sua purificação, Maria fez a oferta dos pobres, Lv 12.8; Lc 2.24.

c) Visita dos Magos - Um grupo de "sábios" apareceu em Jerusalém, inquirindo acerca do nascimento de um "rei dos judeus", Mt 2.2.

d) Fuga para o Egito - Deus disse a José que fugisse para o Egito com toda a família. Após a morte de Herodes, José voltou, e fixou residência em Nazaré.

e) Visita ao Templo - Quando tinha aproximadamente 12 anos, Jesus conversou com os dirigentes religiosos sobre a fé judaica. Ele revelou extraordinária compreensão do verdadeiro Deus, e suas respostas deixaram-nos admirados, Lc 2.41-52.


2. JESUS E A SUA NATUREZA[2]

Jesus não disse que veio trazer uma verdade. Ele disse "Eu sou a verdade", Jo 14.6. Jesus não veio trazer simplesmente uma religião, nem uma filosofia, nem um conjunto de regras como código de conduta. Jesus veio trazer Ele mesmo.  Por isso devemos conhecê-lo e saber o que ele fez por nós.

a) Jesus Existia Antes de Todas as Coisas, Jo 1.1-3.
Sabemos pelas Escrituras que Jesus nasceu em Belém da Judéia. Mas isso não encerra o assunto. Ele existia muito antes de nascer em Belém. Não como homem, mas como o Verbo de Deus. O Verbo nunca foi criado, Ele era Deus e sempre existiu. Foi ele quem criou todas as coisas, Cl 1.15-17.

b) Tornou-se Homem, Jo 1.14; Fp 2.6-8
Quando o Verbo se fez carne foi o próprio criador assumindo a forma de uma de suas criaturas. A humilhação de Jesus não começou na cruz, mas sim em Belém, quando tomou a forma de um simples homem. Quando o Verbo se fez carne Ele se esvaziou de sua glória de Deus (Jo 17.5), isto é, Ele se esvaziou dos atributos (qualidades e capacidades) de Deus, mas nunca deixou de ser a Pessoa do Verbo. Ele continuou sendo o Verbo, mas agora em carne humana esvaziado de sua glória, mas não totalmente. Ele tinha em sua humanidade toda glória possível da verdade e da graça de Deus, Jo1.14.

c) Teve uma Vida Perfeita e Irrepreensível, I Pe 2.22
Primeiro Jesus se esvaziou tornando-se homem. Depois, como homem, continuou se esvaziando. De que forma? Não fazendo nunca a sua própria vontade Fp 2.8.
Jesus veio para fazer sempre a vontade do Pai, Jo 4.34; 8.29.
Por isso as Escrituras dizem que Ele nunca cometeu pecado. Porque nunca fez a sua própria vontade, Hb 4.15, I Jo 3.5.
O diabo tentou Jesus desde o princípio para que Ele fizesse a sua própria vontade, mas Jesus sempre permaneceu obediente ao Pai até a morte e morte de cruz.

d) Fez uma Obra Tremenda e Grandiosa, At 10.38.
Ele curou enfermos, deu a vista aos cegos, ressuscitou mortos, andou sobre as águas, multiplicou alimentos, pregou às multidões, fez discípulos e ensinou-lhes a agradar o pai. Com que poder Ele fez isto? Ele não fez nada como Deus, pois havia se esvaziado da forma de Deus e vivia como homem. Portanto ele precisava do poder do Espírito Santo para fazer a obra de Deus, Mt 12.28; Lc 4.16-19

Tudo que Jesus fez foi pelo poder do Espírito Santo de Deus. Este mesmo Espírito está sobre aqueles que o conhecem Jesus como Senhor e Salvador, At 1.8; Jo 14.12


3. JESUS E O SEU PROPÓSITO REDENTIVO[3]

a) Jesus compartilhou dos nossos sofrimentos em sua vida
Durante a Sua vida na terra, Jesus experimentou todos os problemas da vida que enfrentamos. Assim sendo, Ele compreende os nossos sentimentos, Hb 4.15; Mt 8.17

b) Jesus morreu na cruz por nós
Homens malvados tomaram o Senhor Jesus e O executaram, crucificando-o numa cruz de madeira, como no caso de um criminoso comum. Ele poderia ter salvo a Si Próprio, mas não o fez, pois foi através da Sua morte na Cruz que Deus salvaria o mundo dos eleitos. Jesus morreu por nós! Mc 15:16-39; 1 Pe 2:24; Is 53:5,6.

c) Jesus ressuscitou dos mortos por nós
Depois de permanecer três dias na sepultura, Deus ressuscitou o Seu Filho dos mortos, I Co 15.13-19

d) Jesus abriu a porta do céu para nós
Quando a Sua obra na terra foi completada, Jesus voltou ao Céu para ficar com Deus, o Seu Pai. Mas isto também foi por nós... pois Ele abriu para nós o caminho para a presença de Deus, onde podemos habitar agora e para sempre, Hb 10.19-22; Jo 14.1-3


Para Concluir:

Sendo Jesus divino, Ele deve ser posto num nível infinitamente superior aos homens que já existiram, principalmente os fundadores de religião: Buda, Maomé, Confúcio, Alan Kardec e outros. A obra realizada por Jesus é singular, definitiva e impar. Somente Ele morreu pelo homem pecador. Logo, o cristianismo não é uma religião de ideias, mas dos atos de Deus na História. Outros líderes religiosos destacam-se por aquilo que ensinaram. Jesus, porém, por aquilo que Ele é: Deus que se tornou homem. Jesus Cristo é o único meio de se chegar até Deus. Ele é caminho para Deus.[4]

O autor aos Hebreus, no preâmbulo de sua carta (Hb 1.1-3) destaca de dez atributos de Jesus, mostrando-nos sua supremacia: Jesus é a última palavra de Deus ao homem; Jesus é o Filho de Deus; Jesus é o Herdeiro de todas as coisas; Jesus é o criador do universo; Jesus é a expressão exata do ser de Deus; Jesus é o resplendor máximo da glória de Deus; Jesus é o sustentador do universo; Jesus é o único que nos purifica do pecado; Jesus depois de morrer e ressuscitar retornou ao céu; Jesus está à destra de Deus, intercedendo pela igreja e governando o universo.[5]



[1] BORCHET, Otto. O Jesus Histórico. São Paulo: Edições Vida Nova, 1985, p. 172.
[2] KISTEMAKER, Simon. Os Milagres de Jesus. São Paulo: Editora Cultura Cristã, 2009.
[3] BLOMBERG, Craig. Jesus e os evangelhos: Uma introdução ao estudo dos 4 evangelhos. São Paulo: Editora Vida Nova, 2009.
[4] SPROUL, R. C. A Glória de Cristo. São Paulo: Editora Cultura Cristã, 2004.
[5] LOPES, Hernandes Dias. Colossenses: A suprema grandeza de Cristo, o cabeça da Igreja. São Paulo: Hagnos, 2008. 

Nenhum comentário: