domingo, 6 de novembro de 2011

ESTUDO Nº 07 - MISERICÓRDIA – UMA ESTRADA DE MÃO DUPLA (Mateus 5.7)


INTRODUÇÃO

Um provérbio popular diz: “cuide de você mesmo, pois se você não fizer isso, ninguém o fará”. É a lei que impera em nossos dias. Mas Jesus afirmou – “Bem-aventurados os misericordiosos, porque alcançarão misericórdia”, Mt 5.7.

Contudo, a misericórdia é uma qualidade que não é totalmente desconhecida, mesmo num mundo de homens basicamente egoístas, como por exemplo:
(a) A misericórdia exercida pelos espíritas e católicos (Chico Xavier e Madre Tereza de Calcutá);
(b) Os projetos sociais da LBV, Criança Esperança, Cruz Vermelha e outras entidades humanitárias;
(c) A misericórdia exercida por pessoas anônimas que contribui voluntariamente para obras sociais. Mas, é preciso observar que esta é uma misericórdia seletiva, que não se baseia no princípio, no coração e caráter.

Porque o mesmo homem que é capaz de uma compaixão ocasional, é capaz de achar a vingança doce. Portanto, a misericórdia que Jesus elogia vem da percepção penetrante da necessidade desesperada que a própria pessoa tem de misericórdia, não dos homens, mas especialmente a de Deus.

Aplicação: Esta é a quinta bem-aventurança que iremos estudar, e é importante observar a lógica das bem-aventuranças:

(a) quando sou humilde de espírito, reconheço minha pecaminosidade e a minha situação perante um Deus Santo;

(b) eu choro por causa da minha condição perante Deus, e conseqüentemente, tenho um relacionamento correto com as pessoas;

(c) reconhecendo a minha dependência, eu sinto fome e sede de justiça e por isso busco a Deus desesperadamente;

(d) esta atitude me prepara para ser misericordioso e compassivo para com os outros, assim como Deus tem sido comigo. Deus é o nosso modelo de misericórdia, e porque Deus é Deus misericordioso, exige que as suas criaturas, criadas a sua imagem, também sejam misericordiosas, Mq 6.8.


I. MISERICÓRDIA – SEUS TERMOS

1. Significado do Termo - Vamos tentar entender o que significa ser misericordiosos através da compreensão da palavra que Jesus usou:

A palavra “misericordioso”, vem do hebraico chesed e significa a habilidade de estar na pele de outra pessoa para ver as coisas do jeito que a pessoa vê, sentir como ela sente e pensar com sua mente, e colocar-se voluntariamente no lugar do outro, para poder se identificar totalmente com a experiência que ele está vivendo.

Na nossa língua, a palavra “misericórdia” é formada por dois radicais gregos: miseri: carente, sofredor; e cordia: coração. Portanto, misericórdia é ter o carente no coração.

William Hendriksen, escreveu [1]:
Misericórdia é amor demonstrado em favor de quem vive em desgraça, e um espírito perdoador para com o pecador. Ela abrange tanto um sentimento de bondade quanto um ato bondoso. Vemo-la exemplificada na parábola do bom samaritano (Lc 10) e especialmente em Cristo, o misericordioso Sumo Sacerdote (Hb2.17)”.


A julgar pela forma com o termo é empregado por Mateus, ser misericordioso significa:
(a) tanto perdoar as ofensas, Mt 9.13;
(b) como também fazer o bem a todos os necessitados, At 20.35.

Portanto, o cidadão do Reino de Deus se caracteriza por sua disposição tanto em perdoar as ofensas, como também contribuir para o bem estar de todo aquele que possa necessitar, inclusive os inimigos, Rm 12.20-21.

2. Aplicação do Termo
(a) Ser misericordioso é ir ao encontro das necessidades das pessoas. Não apenas sentir compaixão, mas demonstrar compaixão. É dar comida ao faminto, conforto ao aflito, carinho ao rejeitado, perdão para o pecador, companhia ao solitário, Mt 25.42-46;
(b) Ser misericordioso quer dizer ter espírito bondoso e compassivo pronto a perdoar e livre de censura. Se no lembrarmos das nossas faltas, de nossos pecados, de nossas fraquezas e de como nós, portanto, carecemos da misericórdia de Deus, torna-se fácil sermos misericordiosos, Gl 6.1-3;
(c) A misericórdia é compaixão e socorro para uma pessoa que não tem a mínima possibilidade de ajudar a si mesmo. Uma grande ilustração dessa verdade se acha na parábola do bom samaritano, que “usou de misericórdia” para com o viajante, Lc 10.25-37 (ler);
(d) A misericórdia é demonstrada em atos concretos. Não adianta alguém dizer é misericordioso, e não se dispor a ajudar quem precisa, I Jo 3.17-18.


II. MISERICÓRDIA – AS RAZÕES PARA O EXERCÍCIO

A maior razão para o exercício da misericórdia consiste em que nós:
(a) Éramos pecadores condenados ao inferno, Rm 5.8;
(b) Temos uma triste origem, Tt 3.5;
(c) Estávamos no lamaçal do pecado, Sl 40.2.

E alcançamos misericórdia da parte de Deus, Rm 11.30. A misericórdia cristã tem por base a misericórdia divina, e esta é infinitamente maior que a nossa, Lm 3.22-23. Nós perdoamos nossos iguais, porém Deus perdoa seres indignos, sendo ele mesmo o Deus perfeito e justo. Assim, de forma alguma, devemos pensar que seremos salvos porque somos piedosos. Salvação é pela graça de Deus mediante a fé em Jesus Cristo. Nós não somos salvos por nossas ações, mas porque recebemos de Deus. Ser misericordioso não é a causa da nossa salvação, mas podemos dizer que é uma prova dela, Ef 2.10.



III. MISERICÓRDIA – SEU GALARDÃO

O resultado de ser misericordioso é receber misericórdia. Parece que o Senhor Jesus está ensinando o seguinte – quando eu sou misericordioso com alguém, Deus é misericordioso comigo. Isto em todas as áreas da vida.

1. As questões de ordem sociais - Quando eu sou compassivo e misericordioso para a falta de pão do meu próximo, Deus na sua imensa compaixão usará da sua misericórdia para comigo, Mt 25.42-46.

2. As questões de ordem espirituais - Certa ocasião, Pedro perguntou quantas vezes seria necessário perdoar quem pecasse contra nós. A resposta de Jesus veio em forma de parábola – o credor incompassivo – Mt 18.23-35 (ler).

Há uma relação muito estrita entre ser misericordioso e alcançar misericórdia, ou entre perdoar e receber perdão. Seis vezes aparece no Novo Testamento esta condição para receber o perdão – Mt 6.12; 6.14-15; 18.35; Mc 11.25; Ef 4.32; Cl 3.13.

O crente que guarda profundo ressentimento e se recusa a perdoar o próximo, demonstra não estar em comunhão com Deus. Não reúne por conseqüência, condições para receber o perdão, Mt 6.12,14-15.

Para Concluir

A bíblia ensina que os misericordiosos receberão misericórdia da parte de Deus, mostrando assim, que a felicidade tão desejada não está fora, e sim, dentro de cada um de nós. A psiquiatria demonstra que muitos paciente tristes e deprimidos é motivada ela falta da disposição de perdoar. O fato é que realmente devemos amar os nossos inimigos e orar pelos que nos perseguem, Mt 5.43-45. 

O paradoxo do Sermão do Monte nunca fica tão evidente como na exigência de que perdoemos aqueles que não merecem nosso perdão e que em muitos casos nem sequer aceitam. Mas felizes “os misericordiosos, porque alcançarão misericórdia”, Mt 5.7.



[1] HENDRIKSEN, Comentário do Novo Testamento Mateus, Vol 1, Pág. 59


Nenhum comentário: