domingo, 20 de novembro de 2011

ESTUDO Nº 09 - PRATICAR A PAZ E SER FILHO DE DEUS (Mateus 5.9)



INTRODUÇÃO

Esta bem-aventurança apresenta um princípio que é totalmente contrária ao ponto de vista do mundo. O homem fracassou totalmente na sua busca de paz entre os homens, entre os grupos e entre as nações.

A história tem demonstrado amplamente que não há possibilidade de paz no mundo, Jr 6.14.  

A ausência de paz no mundo é devido à falta de relacionamento entre o homem e Deus. E isso é provocado pela inimizade entre o homem e Deus. “Inimizade” é o termo que Paulo escolheu para descrever o relacionamento entre Deus e o homem rebelde, Rm 8.7-8.

Portanto, há uma grande necessidade, hoje em dia de pacificadores – na indústria, na família e na igreja. Para alguns é mais fácil criar casos e incentivar atritos do que criar clima de paz. Mas entre os crentes é necessário a existência da paz, Ef 4.1-3.

Mas o que significa o termo paz?
Como ser um pacificador num mundo tão cheio de ódio?

I. PAZ – SIGNIFICADOS E CONCEITOS

1. Significados do termo

a) Shalom (Hebraico) – Paz aqui deve ser entendida com o sentido hebraico, porque Jesus e seus discípulos eram judeus em sua forma de ser e de pensar. Shalom era um conceito fundamental para o povo hebreu. Seu significado principal é bem estar, ou saúde, no sentido mais amplo, tanto material como espiritual.

b) Eirene (grego) – William Barclay ensina – “Descreve também a saúde do corpo, o bem estar e a segurança, a perfeita serenidade e a tranqüilidade, de uma vida e um estado em que o homem tem um relacionamento perfeito com seu próximo e com seu Deus”.[1]

2. Conceito de Pacificador

Com respeito ao significado preciso de pacificador, precisamos enfatizar que estamos falando de uma obra divina. Pois o mundo não tem a paz de Deus. O Senhor Jesus faz uma distinção entre a paz que ele concede e a paz que o mundo oferece:

(a) Paz do mundo – significa uma ausência de conflitos, de guerras e lutas.
(b) Paz de Jesus – é um estado de espírito que depende da companhia de Jesus, Jo 14.27.

Ninguém pode ser um pacificador, se primeiro não tiver experimentado a paz em si mesmo, isso significa conversão, Rm 5.1.

Somente quem já experimentou a paz com Deus pode viver em paz com os outros, I Ts 5.13.

Portanto, trata-se de uma paz real, que nasce de um coração transformado e desejoso de viver de forma íntegra e obediente ao Senhor, Rm 14.19.

O filho de Deus é chamado a ser um pacificador tanto na Igreja como na sociedade, portanto, devemos: 
Primeiro: Buscar a paz, I Pe 3.11;
Segundo: Seguir a paz com todos, Hb 12.14;
Terceiro: Até onde depender de nós, ter paz com todos os homens, Rm 12.18.

Portanto, aqui não se trata dos pacificadores no sentido comum – o da mediação de disputas humanas – mas no alto sentido de trazer os homens a paz com Cristo, Is 52.7.

II. PAZ – SUAS MANIFESTAÇÕES

Aqueles que receberam o dom da paz, em seus corações, por meio de Jesus, agora são instrumentos da paz. E como instrumentos da paz, há da parte dele um envolvimento ativo que confronta o problema e o resolve de todo, pois o seu propósito é à busca da paz, Sl 34.14.

Portanto, suas manifestações são as seguintes:

1. O pacificador precisa saber controlar seus pensamentos e suas atitudes
O pacificador precisa saber controlar seus pensamentos e atitudes. Quando ele enfrenta uma situação problemática, ele precisa ter a capacidade de pensar friamente sobre o que Jesus faria naquela situação (paz é fruto do Espírito, Gl 5.22).

2. O pacificador deve saber como falar
Depois de ter pensado cuidadosamente sobre como reagir, ele deve saber como falar. O pacificador deve saber controlar sua língua. Tiago fala sobre os prejuízos por falta de controle na língua, Tg. 3.6.

Poder guardar segredos é uma das principais necessidades do pacificador. Este mundo seria um lugar muito mais agradável se o homem pensasse primeiro e respondesse depois.

3. O pacificador está disposto a perdoar e pedir perdão
O pacificador está constantemente disposto a perdoar e pedir perdão quando ofende alguém, Mt 5.23-24.

O pacificador não é agressivo na sua natureza e maneira de tratar outras pessoas. Ele não procura rixas com outros. Essa maneira diferente de agir é resultado da atuação do Espírito Santo em sua vida. Ele é um pacificador porque ele procura a paz através de maneiras práticas. Esta disposição de promover a paz é em razão de ser uma nova criatura em Cristo. Nossas ações e atitudes são indicadores da nossa filiação, I Co 14.33.

III. PAZ – SUA RECOMPENSA

Ser pacificador não é uma tarefa fácil, mas necessária e poderíamos até dizer, obrigatória para alguém que se diz crente. A paz que devemos estabelecer é a que deriva de relacionamentos corretos entre  os membros da família humana. Se trabalharmos em prol da reconciliação, teremos a nossa recompensa – seremos chamados filhos de Deus. Paz é uma condição de amizade com Deus. A verdadeira paz é marcada pela intimidade paterno-filial com o Pai – mulheres e homens que, de tão amigos de Deus, “serão chamados filhos de Deus”.

Carlos Queiroz escreveu – “Jesus, o príncipe da Paz, preferiu a cruz a apelar para a espada de Pedro, ou mesmo uma legião de anjos para guerrear em seu favor”.[2]

Ser pacificador recebe a promessa de serem declarados filhos de Deus no juízo final – “O vencedor herdará estas coisas, e eu lhe serei Deus, e ele me será filho”, Ap 21.7.

PARA CONCLUIR:

Esta bem-aventurança, uma vez mais lembra-nos que isso é absolutamente impossível o homem sem Cristo ter e ser um pacificador. Somente a pessoa espiritualmente renovada pode ser um pacificador. Pregar o evangelho, é o maior ato em prol da paz verdadeira.

Entretanto, de nada adianta pregar um evangelho da paz (dizer que sou crente) e não viver em paz com meu semelhante, pois minhas atitudes desfazem minhas palavras. O discípulo é feliz por ser um habilidoso construtor da paz; sua realização, sua bem-aventurança, consiste em ser pacificador. Sente-se realizado, de bem com a vida, quando, usando sua genialidade criativa, equaciona uma perfeita parceria entre a paz e a justiça.

O verdadeiro pacificador é aquele que experimentou a obra de Deus em sua vida, que recebeu a paz de Deus, e empenha-se de todas as formas para que as pessoas possam também recebê-la, ao mesmo tempo em que vive em paz com o seu próximo.

Toda a resposta positiva indica que você é um pacificador e que é filho de Deus. Qualquer resposta negativa indica que você precisa ter um encontro real com Deus para que goze de paz no coração e saiba compartilhar a paz com os outros.



[1] BARCLAY, Willian. As Obras da Carne e o Fruto do Espírito. p.67. Edições Vida Nova.
[2] QUEIROZ, Carlos. Ser é o Bastante, p. 101. Editora Ultimato



Nenhum comentário: