sexta-feira, 15 de julho de 2011

FALSIDADE – CONVIVENDO COM O INIMIGO - Salmo 12



INTRODUÇÃO

Em todas as épocas há uma grande carência de pessoas piedosas e fiéis e atualmente, não é fácil encontrar alguém digno de confiança. Por toda parte só se ouve falar de desonestidade e corrupção. É muito comum encontrar pessoas que foram vítimas da falsidade e estão frustradas com todas as demais pessoas. Hoje é raro encontrar pessoas autênticas e fiéis.        A sinceridade precisa ser a identificação do crente em Cristo Jesus.

Esta oração do salmo 12 é direta e objetiva. O salmista percebe o crescimento da hipocrisia, da falsidade e da traição. Davi sente-se cercado por pessoas que se orgulham da sua condição mentirosa. Esta oração traz um desafio para o povo de Deus que se vê constantemente cercados por pessoas falsas.

A partir do Salmo 12, analisaremos a falsidade, que é um pecado que deve ser combatido no meio do povo de Deus.

1. a falsidade provém do afastamento de deus, v.1

O clamor do salmista é resultado da observação que o mesmo faz a sua volta, quando ele percebe que não há mais pessoas honestas  e dignas de confiança. O Salmista identifica a ação maligna e traiçoeira dos falsos. Falam com falsidade uns aos outros, falam com lábios bajuladores e coração fingido”, v. 2

Aqueles que se distanciam de Deus tem a facilidade de manipular as palavras. O diabo é o pai da mentira e a falsidade está diretamente ligada aos que se encontram distantes de Deus.

O apóstolo Tiago adverte - “Irmãos, não faleis mal uns dos outros. Quem fala mal de um irmão, e julga a seu irmão, fala mal da lei, e julga a lei; ora, se julgas a lei, não és observador da lei, mas juiz”. Tiago 4.11

O Apóstolo Pedro exorta – “Pois, quem quer amar a vida, e ver os dias bons, refreie a sua língua do mal, e os seus lábios não falem engano” - I Pedro 3.10

2. a falsidade incorrerá no juízo de deus, v. 3-4

O salmista cercado pela falsidade, pede a interferência do Senhor contra os bajuladores e soberbo. Os que vivem na falsidade devem lembrar que a justiça divina os haverá de encontrar – “Corte o SENHOR todos os lábios bajuladores, a língua que fala soberbamente, pois dizem: Com a língua prevaleceremos, os lábios são nossos; quem é senhor sobre nós?” - v.3-4

Há muitos e bons artistas que no teatro representam com arte os mais diversos papéis e ganham pelo seu trabalho. Mas é bom afirmar que há muitos que vivem de constante representação, como se a vida fosse um teatro. Só que em vez de um bom salário, irá ouvir a voz do juízo de Deus. – “Digo-vos, pois, que de toda palavra fútil que os homens disserem, hão de dar conta no dia do juízo. Porque pelas tuas palavras serás justificado, e pelas tuas palavras serás condenado”. Mateus 12.36-37.

Para os que se mantém na verdade, diz o salmista que o Senhor oferece proteção e livramento. Afinal os falsos estão em toda parte, mas o juízo de Deus os encontrará – “Sim, SENHOR, tu nos guardarás; desta geração nos livrarás para sempre. Por todos os lugares andam os perversos, quando entre os filhos dos homens a vileza é exaltada” - v.7-8.

3. a falsidade se corrige pela palavra de deus, v.6

Mostra o salmista que há um tratamento para a falsidade, que é aplicação da Palavra de Deus – “As palavras do SENHOR são palavras puras, prata refinada em cadinho de barro, depurada sete vezes” - v.6

O remédio divino para a falsidade é a aproximação da verdade do Senhor. Viver o evangelho e a sua mensagem depurada é a exigência para se combater a falsidade. A aplicação da palavra muda o comportamento do homem. – “Escondi a tua palavra no meu coração, para não pecar contra ti”. Salmo 119.11.

Há necessidade de se encarar a palavra da verdade para se enfrentar a hipocrisia. É com a Palavra que se trata a falsidade. 

Existem três outras verdades sobre este salmo. Este salmo fala de três sentenças e três erros, v.4

1. Pois dizem, com a língua prevaleceremos Contudo, a língua dos falsos nunca prevalecerá, pois o Senhor julgará cada um – “Digo-vos, pois, que de toda palavra fútil que os homens disserem, hão de dar conta no dia do juízo. Porque pelas tuas palavras serás justificado, e pelas tuas palavras serás condenado”. Mateus 12.36-37.

2. Os lábios são nossosOs lábios não são deles para falar o que quiserem. “Respondeu-lhe o SENHOR: Quem fez a boca do homem? Ou quem faz o mudo, ou o surdo, ou o que vê, ou o cego? Não sou eu, o SENHOR?” – Ex 4.11

3. Quem é o Senhor sobre nós? Cada um tem um Senhor. No caso dos falsos, suas línguas envenenadas  são seus senhores, porque quem peca é escravo do pecado. – “Não sabeis que daquele a quem vos apresentais como servos para lhe obedecer, sois servos desse mesmo a quem obedeceis, seja do pecado para a morte, ou da obediência para a justiça?” Romanos 6.16

conclusão

a) Como era tratada uma pessoa que agisse com falsidade contra seu irmão?
“Quando se levantar testemunha falsa contra alguém, para o acusar de algum transvio, então, os dois homens que tiverem a demanda se apresentarão perante o SENHOR, diante dos sacerdotes e dos juízes que houver naqueles dias. Os juízes indagarão bem; se a testemunha for falsa e tiver testemunhado falsamente contra seu irmão, far-lhe-eis como cuidou fazer a seu irmão; e, assim, exterminarás o mal do meio de ti; para que os que ficarem o ouçam, e temam, e nunca mais tornem a fazer semelhante mal no meio de ti. Não o olharás com piedade: vida por vida, olho por olho, dente por dente, mão por mão, pé por pé” - Dt 19.16-21

b) Na visão do salmista, o que deve está em lugar da falsidade?
"Por meio dos teus preceitos, consigo entendimento; por isso, detesto todo caminho de falsidade” - Sl 119.104.

c)  No saltério, que condição existe para se obter a benção do Senhor?
“O que é limpo de mãos e puro de coração, que não entrega a sua alma à falsidade, nem jura dolosamente. Este obterá do SENHOR a bênção e a justiça do Deus da sua salvação” - Sl 24.4-5.

d) Que procedimento devemos ter com os pecadores mexeriqueiros?
“O mexeriqueiro revela o segredo; portanto, não te metas com quem muito abre os lábios” - Pv 20.19.

e) Qual o nono mandamento da lei de Deus?
“Não dirás falso testemunho contra o teu próximo” - Ex 20.16.


Nenhum comentário: