sábado, 25 de junho de 2011

AVAREZA – A IDOLATRIA DO TER (Lucas 12.13-34)



Um certo homem fez um pedido muito estranho quando Jesus estava ensinando a uma multidão – “Mestre, ordena a meu irmão que reparta comigo a herança”, v.13. Ninguém sabe quem era este homem. Contudo, sabemos que ele pensava que seu irmão estava enganando-o na partilha da propriedade da família  queria que Jesus interviesse para resolver o assunto. O Senhor Jesus recusou-se, mas no processo ele explicou a relação do homem com as posses e os princípios que governam a atitude cristã com os bens terrenos.

1. UMA PERGUNTA – Lucas 12.14 - Quando o homem pediu a Jesus que arbitrasse a disputa pela herança, ele recusou fazendo uma pergunta: “Homem, quem me constituiu juiz ou partidor entre vós?” (v.14). O Sr. Jesus estava simplesmente dizendo que não era sei propósito acertar diferenças de herança ou propriedades. Aquele homem tinha entendido mal a missão de Jesus. Muitas vezes pensamos que Deus na sua imensa bondade, estará disposto a resolver todo tipo de problema, onde na maioria são movidos por sentimentos egoístas, Tiago 4.3.


2. UMA ADVERTÊNCIA – Lucas 12.15Jesus acrescentou uma advertência,v.15. Além do “tende cuidado...”. Ele acrescentou: “Guardai-vos...”. Do que? - AVAREZA!


1.  O QUE É AVAREZA

Avareza é um desejo desordenado por coisas materiais. Vemos e queremos, não importa como. A avareza é um comportamento pecaminoso advertido com muito rigor nas Escrituras, I Co 5.10-11.

A avareza tem palavras correlatas como: ganância, cobiça e idolatria, e está colocada ao lado de pecados como: injustiça, malícia, maldade, homicídio, adultério, roubo e mentira, I Coríntios 6.9-10.

A avareza se manifesta da seguinte forma:

a. Coisas materiais tornam-se mais importante para nós do que o Senhor – motivo pelo qual a avareza é chamada de idolatria,  Efésios 5.5.

O Novo Testamento coloca as riquezas materiais como um poder que pretendia a adoração, Mt 6.24
Calvino escreveu“Todos os avarentos, necessariamente negam a Deus e põe as riquezas em sue lugar. Minha resposta consiste em que esta enfermidade é amplamente difundida e contamina as mentes de muitos como uma epidemia, mas que não é reconhecida como tal, senão que, ao contrário, é louvada e tida na estima popular” (Comentários de Efésios, pág. 155).
Alguém escreveu“Nunca vi um carro forte acompanhando um carro fúnebre”.

b. Permitimos que o nosso emprego interfira na nossa devoção, Mateus 13.22

Com o propósito de ganhar mais e mais, não temos tempo para: ensino, estudo, oração e adoração. A raiz do problema é que queremos mais e o nosso trabalho é um Deus para conseguir isto.

O autor de Hebreus ensina: Seja a vossa vida isenta de ganância - Hebreus 13.5
Às vezes achamos que nos sentiríamos bem se tivéssemos apenas mais um pouco daquilo que os outros tem, e quando conseguimos, queremos mais alguma coisa.
O Rei Salomão adverte: Quem ama o dinheiro não se fartará de dinheiro, Ec 5.10.
O Apóstolo Paulo adverte que o líder cristão não pode ser avarento, I Timóteo 3.1-3

Esta advertência é necessária porque alguns poderiam ser tentados a aceitar cargos pela promessa de dupla honra (conf. I Timóteo 5.17), como alguns que imaginavam que a santidade era um meio de ganho certo (conf. I Timóteo 6.5). Se não estamos contentes com o que temos, não ficaremos contentes com coisa nenhuma – a avareza é insaciável.

Jesus simplesmente adverte. Lc 12.15 - Coisas materiais não são tudo o que a vida é. Nada realmente valioso, desejável ou duradouro pode ser comprado.

2. UMA PARÁBOLA SOBRE A AVAREZA – Lucas 12.16-21

Este homem tinha três problemas:

a. Era egoísta - Ele estava pensando no seu conforto e segurança, v. 18. Neste versículo está evidente o seu egoísmo, ele fala: “meus celeiros... meu produto... meus bens...”. No início do versículo 17 ele pergunta: “Que farei, pois não tenho onde recolher os meus frutos?”. Esta é a pergunta que cada ser humano tem que responder, quando possui mais do que necessita, para sustentar a sua própria vida, I João 3.17; Efésios 4.28. Alguém disse: “O avarento acumula riquezas, não para usufruí-las, mas para possuí-las’.

b. Viu só o que estava perto, v.19. As riquezas dão ilusão de segurança hoje, mas no futuro a riqueza não fará diferença, Pv 11.4. O homem fica satisfeito porque pensa que as suas possessões serão o suficiente para muitos anos: “muitos bens... muitos anos...”. Os “muitos anos” foram exatamente o que ele não pode propiciar, pois morreu no dia seguinte. Muitos bens não garantem muitos anos. O Rei Salomão escreveu que o avarento é um suicida em potencial, Provérbios 1.19.

c. Tinha uma meta errada, v. 21. Rico para com Deus é antítese do ajuntamento de tesouros para si mesmo. Como é que se faz para ser rico para com Deus? – Tomando a direção oposta a do homem rico: sendo sensível ás necessidades da humanidade e ministrando a elas, em nome de Deus. A proposta divina para os ricos deste mundo é denunciada pelo apóstolo ao seu amado filho Timóteo:  I Tm 6.17-19. Billy Graham escreveu: “A avareza induz o vendedor de leite a adicionar-lhe água para lucrar mais, ensina o lavrador a colocar as boas maças por cima das meios apodrecidas. É a ganância que faz o advogado mentir, e que leva o mercador a escamotear seus fregueses. É o pecado da avareza que faz com que o sangue dos jogadores e apostadores fervam, endurecendo pouco a pouco seus corações, de tal forma que chegam a perder não só dinheiro e a saúde, mas também suas almas”.

3. UM SERMÃO SOBRE A AVAREZA – lucas 12.22-34 

Neste sermão ele:

a. Prega sobre a preocupação, v.22 - Jesus nos ensina a não nos preocuparmos com as coisas materiais – e deu razões concretas para isso
 A vida é mais importante do que alimento, e se Deus cuida dos pardais e dos lírios, muito mais cuidará de nós.
- Não podemos mudar o curso da historia.
 Agir com preocupação por coisa da vida é agir semelhante aos incrédulos.
- Preocupação revela falta de confiança em Deus.

b. Prega sobre prioridades, v.31 - O Sr. Jesus advertiu sobre a preocupação deste mundo e engano das riquezas que afogam a Palavra em nosso coração para que não dê nenhum fruto, Mateus 13.22. Muitos estão colocando as bênçãos materiais acima das espirituais – cristão que gastam mais tempo e esforços assegurando sua própria prosperidade do que promovendo o reino de Deus. 

c. Pregou sobre a generosidade, v.33 - os cristãos da igreja primitiva vendiam seus bens para ajudar os necessitados - Atos 2.45. Em vez de armazenarmos nossas posses, precisamos ser bons administradores de tudo o que possuímos e usar estas bênçãos para o Senhor e o seu povo – leiamos novamente I Tm 6.17-19.

d. Pregou sobre o coração, v.34 - Podemos ficar ligados a esta vida, porque quando a nossa atenção se concentra aqui, nosso coração seguirá.

Para concluir, vejamos uma ilustração:

Conta-se a história de carcaça de animal descendo flutuando num rio, num frio dia de inverno. Um abutre viu o corpo, precipitou-se sobre ele e começou a comer vorazmente. Á distância, o abutre viu uma perigosa cachoeira, mas sabia que havia muito tempo para comer. Depois de um longo tempo, o abutre levantou os olhos; a cachoeira estava se aproximando rapidamente. Mas, louco de apetite, o abutre continuou comendo, acreditando que teria tempo para engolir mais alguns pedaços. Finalmente, no último momento possível, quando a carcaça estava na borda da queda de água, abutre abriu as asas e tentou levantar vôo. Mas não conseguiu. Suas garras estavam congeladas no corpo do animal e ele mergulhou para a morte.

Seremos como o abutre, se continuarmos anos devotar as causa desta vida. Leiamos novamente Lucas 12.31: “Buscai, antes de tudo, o seu reino, e estas cousas vos serão acrescentadas”.


2 comentários:

Leonardo Dâmaso disse...

Shalom Pádua, queria lhe parabenizar pelas mensagens que tem sido postadas por vc, são muito boas e necessárias para a igreja hodierna refletir e voltar ao evangelho de Cristo Jesus. Que Deus possa abençoa-lo a cada dia, para que continue postando mais e mais mensagens fieis as escrituras, como tem feito.

Unknown disse...

Muito bom.
Parabéns pelo trabalho.
Deus abençoe você!