sexta-feira, 18 de março de 2011

INVEJA – A RAIZ DE TODOS OS MALES (Romanos 1.18-32)


INTRODUÇÃO

Será que é pecado desejar possuir bens, boa aparência física, posição social etc.? Ou o pecado é não lutar por alcançá-los de modo correto?

A inveja é o desejo de possuir estas e outras coisas por meios ilícitos, tendo como ponto de partida o olhar fixo no que é dos outros, desejando para si, lamentando por que ainda não esta em seu poder. È um ressentimento profundo, que se aninha na mente da pessoa e passa logo a gerar outras ações, tais como a cobiça, a ganância, a maledicência. O dolo entra em cena e tudo termina em contendas, e ate em morte, tal como aconteceu com Abel (Gn 4.8) e com Nabote (I Rs 21, 1-16).

A inveja e os outros males surgiram no éden (Gn 3.5), e se fazem presentes em todos os lugares, causando contendas e guerras (Tg 4.1,2), sendo sua primeira vitima o seu possuidor, depois aqueles que são o seu alvo. È algo que acontece ate com nações que se apoderam dos recursos econômicos de outras menos capazes de administração.

O texto básico registra a mudança ocorrida no ser humano, sua degeneração. Os homens passaram a valorizar as obras da criação, fazendo delas o seu deus, desentronizando de suas vidas o Deus Criador, e tentando ocupar o lugar do mesmo. Pela concupiscência dos seus corações, diz Paulo: “Deus entregou tais homens á imundície” (v.24), “a paixões infames” (v.26), “A uma disposição mental reprovável, para praticarem coisas inconvenientes” (v.28).

Na relação de tais coisas, em numero de 21, não sendo uma lista completa, pois em Gálatas 5.21, o apóstolo afirma: “e cousas semelhantes a estas”, ele inclui o tema deste estudo.

Algo sério no texto básico é que tal pratica é feita com conhecimento da verdade (v.21) e ate mesmos os gentios assim agem. Não há exceção para ninguém.


1. DEFINIÇÃO E ASSOCIAÇÃO

Provérbios 14.30b diz que “a inveja é a podridão dos ossos”. Todo o corpo não possui firmeza. A inveja é a doença da alma, uma doença espiritual. Diz C. Hodge: “É um câncer da alma” (Teologia Sistemática, Vol. III. P.464).

Caracteriza-se como realmente é:
a) Um sentimento de desgosto ou pesar pelo bem dos outros;
b) Um desejo violento de possuir o bem alheio;
c) Um sentimento de ódio para com os mais favorecidos;
d) Um desejo de impedi-los de possuir tais bens e de vê-los destruídos.

A inveja colocada na mente humana é como um germe que se encarrega de criar outros males que, agrupados ao redor de si, formarão um exército em guerra, lutando para conseguir os fins por ele propostos. Esta força de ação é tão elevada que Provérbio 27.4 diz: “Cruel é o furor e impetuosa a ira, mas quem pode resistir á inveja?” Ela não atua só, pois se assim fosse, ninguém seria atingido; não passaria de um pensamento, sendo o invejoso a única vitima. Entretanto, o que se conhece é que o pensamento invejoso está integrado por outros companheiros ofensivos.

A historia do comportamento de Saul em relação a Davi é uma das evidencias desta associação de males, pois, após a morte de Golias efetuada por Davi, e sua aclamação feita pelas mulheres, Saul passa a ter um sentimento de inveja e, “daquele dia em diante, Saul não via Davi com bons olhos”; e procurou elimina-lo (I Sm 18.6-16).

È tão real esta integração de males que provem do coração humano ainda não regenerado, que o Senhor Jesus, em Marcos 7.21-23 e Paulo, Tiago e Pedro, em vários textos (II Co 12.20; Gl 5.19-21; I Tm 6.4; Tt 3.3; Tg 3.14; I Pe 2.1), os mencionam, estando a inveja entre eles, quer a palavra declinada ou os seus efeitos descritos nos demais componentes. 

2. CONSEQÜÊNCIAS DA INVEJA

Sendo a inveja um ressentimento aninhado no coração do homem, conclui-se que o invejoso vive em torturas da sua alma, tendo em si a destruição de alguns bons princípios de vida (Sl 73.2,3). A condição de vida do invejoso é marcada por reclamações, por expressões de revoltas visíveis no próprio rosto (Gn 4,5; I Rs 21.4-7). È a batalha interna do coração, por não ver seus intentos realizados. A luta continua e outros atos maus vão sendo levados a efeito, ate que se consiga o proposto. Os meios usados, sejam quais forem se justificam pelos fins propostos.

A Bíblia nos apresenta inúmeros exemplos das conseqüências causadas pela inveja e os seus integrantes. 

Eis alguns:
a) Abel é assassinado pelo próprio irmão, Caim, que, possuído de inveja, irou-se e dolosamente, mesmo advertido por Deus (Gn 4.5-8), Praticou um crime, tornando-se exemplo negativo para todas as gerações (Hb 11.4; I Jô 3.12 e Jd 11);
b) Isaque é expulso de Gerar por te se enriquecido (Gn 26.12-17);
c) Os irmãos de José tentam mata-lo e de pois o vendem (Gn 37.11,20;26-28;At 7.9);
d) Nabote é julgado e assassinado, sem ter o direito de defesa ( I Rs 21.1-16);
e) O próprio Cristo foi entregue pelos invejosos lideres religiosos ( Mt 27.18);
f) Os apóstolos sofreram também, da mesma classe de pessoas, perseguições (At 5.17,18; 13.45)

A inveja conduz o ser humano a um miserável estado de vitima, impedindo-o de reparar suas próprias deficiências, corrigindo-as e se tornando capaz de conseguir, por meios lícitos, as mesmas condições de vida.

O invejoso é governado por diretrizes por ele elaboradas, e não sob as normas divinas, pois de Deus está alienado. Da sua linguagem é modo de vida, a pratica da lei Áurea estabelecida por Deus, registrada em Deuteronômio 6.5, levitico 19.18 e Matheus 22.37-39, não faz parte, pois para ele Deus e o próximo não existem.

Mas a pior conseqüência é a eterna, pois Paulo afirma: “São passiveis de morte os que tais coisas praticam” (v.32).


3. LIBERTAÇÃO ESPIRITUAL

Para todas as espécies de males espirituais, Deus preparou os meios suficientes para a cura e libertação. Ele não deseja que o pecador seja vitima eterna de Satanás, alienado de sua presença. Deus, No Éden, prometeu a vinda de seu filho para pagar o preço desta libertação com sua morte. Não há corrupto, por pior que seja, que não possa ser transformado; nem pecado sem perdão em Cristo.

Zaqueu é uma prova evidente desta transformação, pois, por meios ilícitos, enriquecera-se, mas dispôs-se a corrigir as fraudes cometidas (Lc 19.8).

Deus veio em Jesus Cristo para nos libertar do império das trevas e o próprio Cristo declarou como obter tal libertação (Jo 8.32,36; Cl 1.13,14). Há libertação a disposição de todos os que são vitimas dos males do coração.

Para que isto ocorra, é necessário conhecer a Palavra de Deus e aceitá-la, pois o Espírito Santo está executando a sua missão de convencer o mundo do pecado, da justiça é do juízo (Jo 16.8-11). Ele ilumina o Cristão (Rm 14.26), intercedendo pelos regenerados (Rm 8.26,27), Concedendo a Convicção de “Ser nova criatura’ (II Co 5.16) e de poder viver seguro de que “nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus (Rm 8.1). Pois cumpre-se nele a mensagem de Romanos 8.30.

O coração do pecador, cheio de inveja e demais males por ela gerados e a ela associados, pode ser purificado e torna-se lugar especial de guardar a Palavra de Deus (Sl 119.9,11, 97). Onde há lugar para o amor de Deus, este o conduz à pratica das boas obras.

Este mal tão terrível, conforme observou o sábio (Pv 14.30; 27.4), Continua sendo uma realidade constante, até mesmo com boa aparência (Fp 1.15), procurando aninhar-se totalmente no coração do crente.

O que fazer? Paulo ensina:
a)      Encher-se do Espírito Santo e não entristecê-lo (Ef 4.30; 5.18);
b)      Viver de modo digno da vocação (Ef 4.1-3);
c)      Lançar distante tais males (Ef 4.31);
d)      Exercitar o domínio próprio (Gl 5.22).

Em I Pedro 2.1 e 2, o apóstolo determina o despojamento destes males e o desejo de alimentar-se espiritualmente. Para que tudo se efetue, é necessário enquadrar-se  na bem-aventurança proposta por Cristo em apocalipse 1.3, que é ler, ouvir, aguardar o que está escrito. Não se pode descuidar da oração como ato de vigilância (I Pe 5.8), sabendo que o adágio popular declara: “Mente vazia, oficina de Satanás”.

Nenhum comentário: